Siga-nos no Whatsapp

Guerra na Ucrânia

Inédito. Zelensky discursa no Parlamento português por videoconferência. PCP é o não-elefante na sala

20 abr, 2022 - 20:43 • Tomás Anjinho Chagas

O Presidente da Ucrânia fala esta quinta-feira à Assembleia da República. Cerimónia conta com a presença do Presidente da República e do primeiro-ministro. PCP vai estar ausente.

A+ / A-

Em cenário de guerra na Ucrânia, Portugal vai ouvir Volodymyr Zelensky no Parlamento. É rara a presença de chefes de Estado estrangeiros na Assembleia da República. Mas é a primeira vez que isso acontece por videoconferência.

A cerimónia começa às 17h00, com o novo Presidente da Assembleia da República a receber as outras duas principais figuras do Estado, Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa.

Fonte do gabinete de Augusto Santos Silva explicou à Renascença que o discurso do Presidente da Ucrânia vai ser transmitido, em direto a partir da Ucrânia, e projetado nos vários ecrãs gigantes que foram instalados no Parlamento para o efeito. A intervenção de Zelenskiy não deve ter mais de 15 minutos e deve ser feita em ucraniano. E já que acontece em tempo real, haverá um tradutor a partir da Ucrânia que vai dobrar o presidente, em direto, para português.

Convidados

O Presidente da República vai sentar-se ao lado do Presidente da Assembleia, já o primeiro-ministro senta-se na mesa onde habitualmente se senta o governo. Nestas cadeira sentam-se também Helena Carreiras, ministra da Defesa, e Ana Catarina Mendes, ministra dos Assuntos Parlamentares, e Francisco André, secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros, em substituição do ministro João Gomes Cravinho, infetado com Covid-19.

Os deputados não têm direito a fazer perguntas a Zelensky. Nesta cerimónia está previsto apenas que seja o Presidente da Assembleia da República a falar.

Será Augusto Santos Silva a representar Portugal num discurso que não deve ultrapassar os 20 minutos.

Convidados estão também os membros que ocupam os 26 primeiros lugares da lista de precedências do Estado, ou seja, dezenas de ocupantes de funções que vão do presidente do Tribunal Constitucional aos conselheiros de Estado, passando também por antigos Presidentes e primeiros-ministros. Ainda assim, pela altura em que este texto foi escrito, ainda não havia uma lista com os convidados confirmados que já tivesse sido divulgada.

Há também uma lista de convidados que envolve pessoas da sociedade civil, que ainda estão a ser definidos, mas onde constam nomes ligados à igreja ortodoxa e professores de ucraniano, por exemplo.

Evitar problemas no site da AR

Num dia em que as atenções recaem sobre o Parlamento, a organização vai tentar evitar imprevistos. À Renascença, fonte da Assembleia da República revela que o arquivo do site da Assembleia foi desativado para aliviar a plataforma.

Esta fonte lembra que o arquivo tem um tamanho “tremendo”, e que o Parlamento decidiu “desativar” temporariamente esta secção do site, para que ele não “retire largura de banda”. O objetivo é que o site não vá abaixo por causa de uma afluência acima do normal.

Não-elefante na sala: PCP

Quem não vai assistir ao discurso de Zelensky é o Partido Comunista Português. Ao final da tarde desta quarta-feira, o PCP deu uma conferência de imprensa onde desfez todas as dúvidas: não vai estar presente nesta cerimónia.

Os assentos parlamentares dos comunistas ficam vazios porque, segundo Paula Santos, líder da bancada do PCP, o partido não quer dar “palco” a um presidente “xenófobo”.

“O PCP não participará numa sessão da Assembleia da República concebida para dar palco à instigação da escalada da guerra, contrária à construção do caminho para a paz, com a participação de alguém como Volodymyr Zelensky, que personifica um poder xenófobo e belicista, rodeado e sustentado por forças de cariz fascista e neonazi, incluindo de caráter paramilitar, de que o chamado Batalhão Azov é exemplo”

Os comunistas defendem que o diálogo e o desarmamento são os caminhos para a paz, no entanto, não apresentam nenhuma medida em concreto para o fazer, mesmo depois de muita insistência dos jornalistas.

O discurso de Zelensky deve contar com uma Assembleia da República recheada de deputados e convidados, quer nos lugares de baixo da Sala das Sessões, quer nas galerias, onde os convidados vão poder sentar-se. Por ocupar ficam as cinco cadeiras do grupo parlamentar do PCP que se recusa a assistir à intervenção do presidente da Ucrânia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Nuno Branco
    21 abr, 2022 Chaves 11:17
    O PCP retratou-se
  • ze
    21 abr, 2022 aldeia 08:41
    O PCP ainda vive na era da União Soviética, passados tantos anos,ainda não evoluiu,é um partido que se vai extiguir mais ano menos ano.
  • Anónimo
    20 abr, 2022 Lisboa 23:27
    "Os comunistas defendem que o diálogo e o desarmamento são os caminhos para a paz" De facto o desarmamento da Rússia é o caminho para a paz.
  • Joaquim Correto
    20 abr, 2022 Paços 21:08
    Neste tema, concordo em quase tudo com o PCP!
  • Pedro Teixeira
    20 abr, 2022 Funchal 21:02
    Com posiçôes deste género não espanta que seja um partido à beira da extinção.

Destaques V+