Siga-nos no Whatsapp

Reportagem

Caso do lítio. População de Montalegre diz que "a justiça é lenta, mas chega"

07 nov, 2023 - 17:09 • Olímpia Mairos

Habitantes da aldeia de Morgade acreditam que a investigação sobre o lítio pode por fim à Mina do Romano.

A+ / A-

“A verdade é manca, mas chega. A justiça é lenta, mas chega”. É desta forma que José Alves, mais conhecido por Zé Cerdeira, na aldeia de Morgade, para onde está projetada a Mina de Lítio do Romano, reage à investigação sobre o lítio que motivou buscas em várias localizações (incluindo a residência oficial do primeiro-ministro e gabinetes ministeriais).

“Sempre fui contra a mina por causa do ambiente para a nossa terra, a poeira, os ruídos”, começa por dizer.

Já quanto à investigação que agora decorre, não se mostra surpreendido, porque - explica – “a justiça pode ser tardia, mas funciona”.

“É como diz o nosso povo: A verdade é manca, mas chega. A justiça é lenta, mas chega. E está a chegar. Só quero que quem for culpado, seja castigado; e quem for inocente, que não seja condenado”, diz.

Também António, conhecido na aldeia por Tonho da Alice, emigrante há 52 anos em França, conta à Renascença que sempre desconfiou de “interesses associados à mina” e, por isso, só deseja que “a verdade venha ao de cima”.

“Eu só quero que retifiquem o mal que fizeram e que a mina não seja feita, porque este ‘ninhozinho’ aqui é um paraíso e querem-nos fazer aqui mal”, diz, assegurando que nos seus terrenos “ninguém entra”.

“Não entram nem que eu vá lá dormir. Eu daqui não saio e as máquinas por cima de mim não sobem. Foi a herança dos meus pais e eu não vou ficar sem nada”, conclui.

“Alguma coisa já está a acontecer”

A população desde sempre contestou a instalação de uma mina de lítio em Morgade, através de manifestações e ações de rua, por isso, mostra-se satisfeita com a possibilidade de a mina não ir adiante, em consequência dos processos que decorrem na justiça.

No centro da Vila de Montalegre, a Renascença encontrou à conversa Luís Pereira e Domingos Martins. O que ambos esperam e desejam “é que se investigue até ao fim e que as coisas sejam claras”.

“Se há interesses aí, não acho isto muito bonito”, atira, acrescentando que o melhor é esperar para ver o que vai acontecer, mas alguma coisa já está a acontecer”, diz Domingos Martins.

Luís Pereira entra na conversa para argumentar que “as minas fazem poluição” e que não é favor. Já quanto à investigação quer “apenas que se saiba a verdade”, acreditando que o desfecho pode inverter o processo de instalação do projeto no concelho.

É isso mesmo que espera Ana Guerra, de 22 anos. A jovem é contra as minas de lítio e acalenta, agora, a esperança de que o projeto não se concretize.

“Se há uma investigação, inclusive no gabinete do primeiro-ministro, é porque algo está muito errado. Então, espero bem que ajude, pelo menos, a atrasar ou mesmo a terminar com esta ideia de trazer as minas para o Barroso”, afirma, defendendo que “tem que se saber tudo até ao fim”.

A jovem não quer as minas porque “vão retirar qualidade de vida à região e podem levar mesmo à retirada do selo de Património Agrícola Mundial”.

Armando Pinto, da associação Montalegre Com Vida, contou esta manhã à Renascença que a população estranhou, desde o início, o “empenho fora do normal” dos responsáveis políticos para que o projeto das minas de exploração de lítio em Montalegre avançasse.

O responsável diz que o assunto “devia ser bem estudado” e a população “bem informada”. Pelo contrário, ao longo do processo, assistiu-se a um “empurrar das situações” e houve etapas que foram passadas “à frente”.

Armando Pinto disse ainda que a avaliação do projeto foi feita “de forma pouco transparente” e defendeu que a “investigação seja levada até às últimas consequências”.

A mina do Romano, no concelho de Montalegre, foi concessionada à empresa Lusorecursos que obteve a luz verde por parte da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) em 7 de setembro. Tem como objetivo a exploração de depósitos minerais de lítio e sua transformação, propõe uma exploração mista, a céu aberto e subterrânea, e prevê um período de vida útil de 13 anos, podendo vir a ser ampliado.

A empresa tem sede na Rua Direita, nº 30, em Montalegre, mas ao final desta manhã as portas estavam encerradas.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+