Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022

Presidente do Técnico invoca mortos da Covid-19 para criticar fraude dos alunos nos exames

31 jan, 2021 - 18:30 • João Carlos Malta

Representantes dos alunos reagiram com desagrado nas redes sociais, e há uma carta aberta ao presidente da instituição com fortes críticas ao sistema de ensino naquele instituto. "Não me parece adequado incitar ao terror como forma de combater a fraude", lê-se na petição com mais de três mil assinaturas na internet. Presidente da instituição ameaça com suspensão até cinco anos para os prevaricadores.

A+ / A-

Veja também:


A alegada prática de fraude de alguns alunos do Instituto Superior Técnico (IST), na época de exames que está a decorrer e termina em meados de fevereiro, levou o presidente da instituição a escrever um e-mail a criticar o comportamento irregular dos estudantes, invocando as mortes de Covid-19 no país, o esforço dos profissionais de saúde e os portugueses que estão a perder o trabalho, para enquadrar a especial censura de quem subverte as regras.

Os alunos, através da Associação de Estudantes do IST, já declaram não se reverem “na forma e no contexto como o comunicado foi apresentado”, transmitindo, na opinião destes, “uma imagem de uma responsabilidade unilateral”.

Mas há também uma petição a decorrer na internet, com mais de três mil assinaturas, em que uma aluna escreve uma carta aberta ao presidente Rogério Colaço. Nesse texto critica as palavras do líder do IST: “Referir não só os constrangimentos financeiros que a população em geral está a sentir e esforço dos profissionais de saúde, como também o luto das famílias pelos que a pandemia levou como forma de incitar ao exercício das capacidades morais dos alunos não me parece nem justo, nem ético”.

O período de confinamento a que o país está sujeito, fez com que as avaliações deixassem de ter condições para serem presenciais e tivessem de passar a fazer-se com recurso a meios digitais. A alteração está a levantar questões em relação às condições em que as mesmas avaliações são feitas, bem como à justiça e veracidade dos resultados.

A mensagem

Mas regressando ao comunicado do presidente do IST aos alunos, enviado a 29 de janeiro, a que a Renascença teve acesso, Rogério Colaço escreve a “toda a comunidade”.

Em três pontos, enquadra a comunicação. Neles diz que:

- “no momento em que, a cada dia que passa, centenas de famílias choram o luto de quem parte inesperadamente”;

- “no momento em que milhares de profissionais de saúde tombam de cansaço físico e psicológico para ajudar quem deles precisa”;

- “no momento em que centenas de milhares de portugueses ficam no limiar da subsistência por perderem os seus rendimentos”;

Deste contexto passa para a condenação de “quaisquer comportamentos que visem obter benefícios em proveito próprio tirando partido desta situação”. Os mesmos, defende, “são inaceitáveis”.

De seguida, escreve que “naquilo que respeita às circunstâncias em que passou a decorrer o atual período de avaliações em curso, devido ao momento dramático que o país atravessa, qualquer tentativa de fraude em avaliações será inquirida considerando todas as circunstâncias agravantes especiais da responsabilidade disciplinar”.

E termina a escrever que quem for apanhado nesta ilegalidade pode incorrer “até à pena máxima prevista no Regulamento disciplinar dos estudantes da Universidade de Lisboa, ou seja à “interdição da frequência da Universidade (…) até 5 anos”.

Estudantes reprovam presidente

Em resposta, a Associação dos Estudantes do Instituto Superior Técnico (AEIST) afirma, em comunicado, que converge com o presidente do IST na necessidade de garantir a qualidade de avaliação, mas não se revêm no contexto como o comunicado foi apresentado.

Os alunos escrevem que a adaptação aos meios de avaliação online é fundamental para o sucesso e credibilidade do ensino no IST. “Reconhecemos também todos os problemas e dificuldades relacionados com esta transição, quer para o corpo docente quer para os alunos, nomeadamente a níveis de prazos, comunicação, proteção de integridade académica e adaptação dos métodos de ensino e avaliação”.

Ainda assim, alertam que são “visíveis casos de sucesso e várias unidades curriculares, casos estes que devem ser analisados e vistos como exemplo para a adaptação das restantes.”

Os estudantes dizem que vão comunicar aos órgãos de gestão do IST uma proposta para uma avaliação “justa, honesta e transversal, nunca pondo em causa o desempenho dos estudantes e os seus direitos”.

No fim do comunicado, é convocada uma Assembleia Geral de Alunos Extraordinária, “com o propósito de ouvir estudantes e definir uma posição perante a situação atual”.

Em redes sociais como o Twitter o tema está a ser amplamente discutido pelos alunos.

Noutra vertente, e sobre esta mesma polémica, está a decorrer uma petição pública, com uma carta aberta ao presidente do IST.

Revolta na internet

Escrita por alguém que se intitula de aluna da instituição, e já subscrita por mais de três mil pessoas, a petição começa por dizer: “Venho por este meio não só condenar o passado email recebido a 29 de Janeiro de 2021 relativo à fraude que se observa na nossa instituição”.

Na missiva, há críticas ao tom usado pelo líder do IST como também em relação à qualidade do ensino naquela instituição, e à falta de medidas que adaptassem aquele instituto ao ensino à distância e aos exames online.

“Devia-se ter preparado melhor toda esta situação. A polémica ronda em torno das avaliações, que, passando para online, dão azo a fraude e a dualidades de critérios entre as disciplinas. Mas questionemo-nos: será assim tão diferente do caso presencial? Um aluno que comete fraude em casa não cometerá fraude na faculdade? E a verdadeira questão é: Porque é que o aluno comete fraude, acima de tudo? Os alunos com a maiores médias do país? Será porque todos são vilões na história, ou será porque os métodos de avaliação estão, e sempre estiveram desadequados ao ensino providenciado pela instituição? Não desculpabilizo a fraude, os alunos devem mostrar os seus conhecimentos de uma forma limpa e rigorosa. Mas não estará o problema no facto dos conhecimentos não estarem a ser transmitidos?”, questiona.

Na mesma carta, refere que, “como aluna desta instituição há 5 anos, nunca esperei que o nosso líder atacasse os estudantes desta forma, acusando-os de beneficiar desta situação, como se o benefício fosse sequer possível num momento destes”.

A estudante diz ainda que “há alunos que não só estão a passar exatamente por essas três tragédias (morte de familiares, crise financeira e terem pais e irmãos a trabalhar como profissionais de saúde) como também estão a passar pela crise de ensino do IST. Para além de chorar os seus mortos, estão a trabalhar em quadruplicado porque os métodos de ensino não foram adequados, juntamente com os métodos de avaliação”.

E que, por isso, além de se preocuparem com os pais estarem sem salário há 10 meses, “estão também preocupados em passar às cadeiras, para não obrigar os pais a pagar mais um ano de propinas”.

“Para além de verem os seus familiares e amigos irem para a linha da frente lutar contra a pandemia, estão preocupados com a incerteza de como o semestre vai acontecer e as repercussões que terá nas suas teses, mestrados e carreiras. Não me parece adequado incitar ao terror como forma de combater a fraude. A melhor forma de combate é a prevenção e é isso que me leva ao próximo tópico: alteração dos métodos de avaliação e ensino”, remata.

[notícia corrigida - presidente do Técnico e não reitor, como inicialmente foi referido]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Diego
    01 fev, 2021 Saint Denis 19:40
    Em França, por muito menos que isto, os estudantes fariam uma manifestação em frente à Universidade como forma de protesto (detalhe: país com Universidade realmente pública). Pagar 1000€ de propinas ano após ano por este tipo de tratamento numa pandemia é doentio e humilhante. Os demais comentários são apenas a ponte do iceberg acerca do grau do bullying sofrido pelos alunos. Tudo isto de uma Universidade que nem nos rankings específicos de ciências e engenharias aparece nos primeiros lugares. A melhor Universidade não é aquela com as maiores médias de acesso ou com profs vindos da América ou Reino Unido, mas sim aquela onde se aprende. O relato dos aluno mostra-nos que este não é o caso.
  • Maria
    01 fev, 2021 Lisboa 18:47
    Relativamente ao comentário de que as melhores faculdades do mundo são "muito mais teóricas" que o Técnico, deixo um paper escrito em 2001 (mas mesmo assim, muito atual) de um professor do MIT sobre a questão "Investigação feita por Universidades Portuguesas". Ao longo do paper é feita uma comparação dos alunos do MIT com os do IST, assim como dos seus docentes e métodos de trabalho. ( http://matagalatlante.org/nobre/down/MITvsIST.pdf )
  • Guilherme
    01 fev, 2021 Lisboa 05:48
    Aos brilhantes comentários do senhor Martim Fernandes e José Caeiro respondo o seguinte: o facto de a petição contar com mais de 3000 assinaturas nada diz sobre a quantidade de alunos que cometeu fraude. A petição foca-se em apontar os problemas no ensino do IST, assumindo que a culpa do sucedido é dos alunos envolvidos, como também dos professores que permitiram que tal acontecesse. Antes de exigirem um castigo coletivo, lembrem-se que existem muitos alunos que realizaram as suas avaliações de forma honesta, assim como também existem muitos professores que prepararam avaliações justas, com controlo de fraude. Felizmente, grupos não são punidos pelas ações de uma minoria. No entanto, numa coisa concordamos. Não havia necessidade de fazer deste assunto notícia. É certo que tudo isto será solucionado pelos órgãos competentes.
  • Roberto
    01 fev, 2021 Constância 00:55
    Cambada de medrosos (perdoe-se a minha dislexia). Choram muito estes jovens de hoje em dia que mais depressa enchiam uma piscina com as lágrimas do que torrar uma fatia de pão com as mentes. Se alguma vez um destes atrasados me pedir uma entrevista de emprego até aceitava só para os meter a esfregar o chão, é sempre preciso algum cão que o faça, porque para mais empregos não dá claramente
  • Marta
    01 fev, 2021 Lisboa 00:24
    Como aluna do IST, Há anos que os alunos estão descontentes e cansados de não terem direitos básicos como uma hora de almoço. O cerne do problema é o ensino ultrapassado que era perfeito há 30 anos mas não brilha atualmente, e docentes que não cumprem regras. O problema é o tom do e-mail e não o conteúdo, porque todos os alunos que comentem fraude devem ser punidos. Todos os restantes comentários nesta notícia demonstram que não sabem a realidade atual do IST e pensam que esta situação foi só para justificar a fraude, que claramente não foi.
  • José
    01 fev, 2021 Lisboa 00:01
    Enquanto alumni do IST, revejo-me completamente no comentário da Sra Joana. Os professores do IST são dos mais mal preparados no país, rejeitam por completo as ciências da educação e os métodos pedagógicos, em suma, não sabem, de todo, ensinar. Não sabem passar a matéria, vivem em jogos de poder, por vezes chumbam uma turma inteira a uma disciplina e a culpa é sempre dos alunos, que não estudaram, que não sabem, que são pouco inteligentes. A culpa nunca é dos professores. Perguntem a qualquer aluno do IST acerca da sua saúde mental, e verão quantos não recorreram já aos serviços dos psicólogos que a própria instituição oferece. A depressão é comum entre alunos, e não é por serem maus alunos, é pelo ambiente que existe na instituição, pelos métodos de ensino, pela sobranceria e arrogância dos professores, pelo amiguismo, enfim, uma instituição há muito ultrapassada.
  • Paula
    31 jan, 2021 Porto 23:45
    Cara sra dona Joana, Se não concorda com o ensino teórico pode sempre mandar os seus filhos para outras escolas, digamos menos teóricas. Olhe que, por esse mundo fora, o tp10 são aquelas que chama teóricas, bem mais teóricas do que up ou técnico.ul. E a fraude é inadmissível.
  • Magalhães Fan Page
    31 jan, 2021 Avenida Rovisco Pais 23:45
    Não devia haver um limite máximo de idade para comentar este tipo de coisas? Boooooooomer alert
  • Pedro Rosa
    31 jan, 2021 Lisboa 23:33
    A critica dos estudantes não se prende pelo facto do acuso de fraude académica por alguns estudantes, que é condenável. Resta clarificar a razão do email recebido que se deveu ao facto de as respostas de um exame estarem acessíveis aos alunos, erro que certamente não foi culpa dos mesmos. Das outras queixas apresentadas, penso que é trivial que nível académico e genialidade não se traduz necessariamente num bom professor, de facto qualquer aluno e alumni do Técnico sabe o tipo de ensino praticado por alguns docentes, teórico e avaliações quase impossíveis. Os alunos pedem que sejam tomadas medidas que modernizem e melhorem o ensino no IST, sem as quais a universidade começará a ficar para trás. Concordo totalmente
  • Fernando Marques
    31 jan, 2021 Évora 23:00
    'Mamã... ele ameaçou-me!!!!!!!!!' ahahahaha Que ridículo, esta gente não tem noção… Enxerguem-se, meu...

Destaques V+