Tempo
|

Reportagem

Pedrógão e a Covid-19. “A população não vai ser muito recetiva a quem venha de fora”

17 jun, 2020 - 07:00 • João Carlos Malta (texto), Joana Bourgard (fotos)

Em Pedrógão Grande há quatro infetados e em Castanheira de Pera zero. No entanto, nestes concelhos devastados pelos fogos de 2017, faz esta quarta-feira três anos, o medo do exterior é uma realidade. O verão vai fazer chegar os necessários turistas, mas este ano há o temor de que tragam o vírus atrás. E as consequências numa população envelhecida, teme-se, podem ser muito graves.

A+ / A-

Veja também:


Não são focos da doença. Os casos da Covid-19 são raros ou inexistentes. Mas numa economia débil − e dependente de poucas atividades como a floresta ou as diversões dos feirantes − a travagem do país contribuiu para o solavanco que a região do Pinhal Interior está a viver, mais concretamente os municípios de Castanheira de Pera e de Pedrogão Grande. O turismo podia ser uma tábua de salvação, mas há o receio de que traga o vírus às costas. Ainda para mais quando as últimas estatísticas nacionais revelam que um em cada três habitantes têm mais de 65 anos.

Por enquanto, vão sendo as pequenas poupanças, e a estrutura pequena e familiar de muitos negócios, a almofada para o impacto de uma segunda crise em apenas três anos. Depois dos fogos de 2017, esta é uma nova crise em muito pouco tempo.

Na autarquia de Pedrógão Grande, o presidente da Câmara Valdemar Alves diz estar a preparar um plano para fazer um levantamento dos prejuízos, e assim “poder chegar às pessoas”.

Os mais afetados estão identificados. “Temos uma comunidade que vive das pistas de carrosséis, e que têm aqui a associação nacional do setor. Eles estavam para arrancar para as romarias e para as festas, principalmente do Norte e tudo foi cancelado. São pessoas que gastaram uns milhares largos de euros e isto foi uma facada muito grande. E ainda está a ser”, define Valdemar.

O autarca calcula que 1.500 pessoas vivam da atividade na região, e metade seja oriunda de Pedrógão.

O que fazer à madeira quando Espanha encerra portas?

No concelho vizinho de Castanheira de Pera, a empresária Sandra Carvalho, gestora da Serração Castanheirense, fala de “uma segunda guerra” depois dos incêndios que arrasaram a região.

A produção está reduzida a metade. A madeira não pode sair do país e acumula-se nos estaleiros da empresa. “Neste momento estamos a trabalhar a 50%. Espanha está fechada, e as empresas para quem trabalhamos em Portugal, e que exportam, estão a condicionar a entrada de mercadoria”, explica.

A gestora concede que janeiro e fevereiro “são normalmente meses mais calmos”, mas este ano “foram muito mais calmos”. “Estamos uma semana a trabalhar e outra parados”, revela.

Sandra fala de uma segunda guerra, porque a primeira, a dos fogos, é “um capítulo que ainda não conseguiu ser fechado”. Muitos dos apoios de auxílio para a compra de máquinas destruídas pelo incêndio, segundo a gestora, três anos depois ainda não chegaram.

“Era uma altura em que nos fazia muito jeito que isto ficasse resolvido. Muitas vezes, nem conseguimos falar com as pessoas”, referindo-se aos organismos do Estado que tutelaram o financiamento às empresas que sofreram prejuízos com os fogos.

Ali não recorreram ao "lay-off" e aproveitaram estes três meses para limpar terrenos e cortar madeira. A isso juntaram algumas férias em atraso. Os troncos a acumularem-se até podem ser um perigo para futuros fogos, mas Sandra Carvalho pensa que não há solução.

“Isto não é Lisboa ou o Porto, aqui andamos um bocado e estamos na floresta. É de facto de risco. Mas é-o tendo a madeira aqui em parque ou na floresta”, sentencia.

A APFLOR − associação que junta mais de 600 proprietários florestais da região do Pinhal Interior − dá corpo a esta realidade. O presidente Jorge Fernandes explica que a exploração da floresta não se ressentiu. Mas a jusante aparece o problema. “Há serrações que estão paradas. Não têm onde a entregar”, revela.

E sinaliza outra dimensão da retração económica. “Em relação ao eucalipto, as fábricas estão com os parques cheios, também devem estar a produzir menos, e a limitar a receção de madeiras”, frisa Jorge Fernandes, que fala de problemas de gestão no dia-a-dia destas unidades fabris.

Na floresta, Bráulio Henriques conquistou uma segunda atividade. Este gerente de uma empresa de informática, há meia dúzia de anos descobriu a paixão pelas abelhas. Depois dos fogos de 2017 perdeu a quase totalidade das caixas em que as colmeias produziam o mel de urze que é um dos ex-libris locais.

Bráulio começa por explicar que na produção, o vírus não mexeu. “A poluição é menor, a biodiversidade até tem mais hipóteses de recuperar”, crê.

O problema é outro. “A cadeia de escoamento dos produtos está a ser afetada. Vendia mel para lojas e restaurantes, que estiveram fechados”, identifica.

Apesar de ter começado a explorar novas formas de comercialização, através da venda direta pela internet, a quebra de receita nas vendas a lojas é de 90%. “O que vai acontecer é ficar com o armazém cheio. A produção fica cá, se não há escoamento. O mel tem uma coisa boa, aguenta-se muito tempo. Podemos tê-lo durante muitos anos em armazém que ele mantém todas as propriedades”, declara.

Turistas são precisos, mas….

A poucos quilómetros dali, no Hotel Lagar do Lago, junto a piscina das Rocas, em Castanheira de Pera, o proprietário Joaquim Conceição não tem papas na língua. “O meu negócio é zero”, relata. “Desde 12 ou 13 de março, nem um café, fechámos totalmente”, explica. São quatro meses sem trabalhar, mas as despesas continuam. “Recebemos a conta de 300 euros da luz”, especifica.

Os três empregados ficaram em casa. “Estamos a pensar em abrir em julho”, revela. Além das dormidas há ali também espaço para casamentos e batizados, e ainda um salão que recebe visitantes de excursões. Outra dimensão do negócio parado.

“Os autocarros turísticos não puderam abrir. Não podiam trazer 50 pessoas, só 15, e também não vêm”, avança. A situação é desoladora. “Para dormir, neste espaço de tempo todo [desde 16 de março], apareceu uma vez um cliente”, recorda.

Nos incêndios de 2017, Joaquim perdeu muito. Ficou sem o filho Gonçalo, bombeiro em Castanheira de Pera, que faleceu no combate às chamas. Com isso os negócios também sofreram, pois o descendente já assumia, muitas vezes, a liderança de alguns dos negócios do pai, como o restaurante do hotel.

E as promessas de revitalização do Interior, segundo Joaquim, esfumaram-se no tempo. O empresário do ramo hoteleiro fala de falta de investimento. Tirando a praia das Rocas − que traz cerca de duas mil pessoas por ano no verão − nada mais no concelho é atrativo para os turistas. Fala-se agora da construção de uns passadiços.

Apesar de os meses de inverno serem tradicionalmente mais parados, se não fosse a pandemia, em junho já “tinha serviços, os autocarros, e os batizados”. “Normalmente, não dorme muita gente, mas dormem dois ou três, faz-se um batizado, faz-se um passeio turístico e vai dando para as despesas”, afirma.

O desconfinamento deve devolver já no próximo mês os clientes ao Hotel Lagar, mas se Castanheira de Pera regista até agora zero casos, o temor de quem vem de fora começa a crescer. Isso põe o empresário numa situação paradoxal.

“Isso já nos pensámos, estamos aqui tão bem. Vêm as pessoas para a praia, vêm para dormir, e depois? Mas tem de se fazer, senão não se trabalha. Se formos a pensar assim, nunca mais se abrem as portas”, refere.

Alarmados com Espanha e Itália

Regressando a Pedrógão Grande, o autarca local, Valdemar Alves, também está preocupado com o tema.

“Temo, temo, temo bastante”, responde assim à pergunta se tem receio de que o cenário de poucos infetados possa mudar no verão. “Se bem que a nossa população não está muito aberta. Estão muito preocupados e não vão ser muito recetivos a quem venha de fora, principalmente os idosos, as pessoas que vivem da reforma”, identifica.

No entanto, o edil considera que o turismo é muito importante para a restauração e para a hotelaria, para de seguida deixar um recado: “está na consciência de cada um, daqueles que vêm saberem o que vêm fazer”.

Valdemar dá como exemplo o caso de um emigrante infetado que veio de França para visitar a mãe, num município vizinho. A idosa frequentava o mesmo centro de hemodiálise que muitos habitantes da vila. O caso pôs em sobressalto os idosos locais, e o autarca lança um aviso: “espero que as pessoas não venham infetar os seus familiares”.

Valdemar Alves diz que está preocupado com quem “possa vir a partir de dia 10 de Junho”. “As pessoas veem muita televisão. Tudo o que se passou em Itália e Espanha foi muito doloroso para os nossos idosos”, recorda, elogiando a capacidade que estes tiveram de se recolher.

Possibilidade de surto assusta

O presidente da Associação Empresarial Penado Granada, António Domingues, também se revela temeroso em relação à possibilidade de um surto, uma zona em que os idosos representam uma fatia de leão.

Nem quero imaginar o que seria uma crise de Covid-19, ainda para mais numa região tão envelhecida. Tenho uma projeção estatística que mostra que, se chegasse à nossa zona, íamos ter possivelmente taxas de mortalidade muito elevadas”, assume.

Domingues concede que não foram registados "muitos casos em Pedrógão”, e que a situação está estabilizada, mas alerta para os próximos meses em que a região vai receber "um maior número de visitantes, pessoas de origem pedroguense e estrangeiros que procuram a nossa região”.

Em relação ao impacto económico, o presidente da Associação Empresarial Penado Granada reconhece que o tecido empresarial é pequeno, mas que a crise que fará o PIB recuar quase 7% no país, tem também consequências na região. No entanto, acredita que foram ligeiras.

“Não estamos a falar de uma realidade de empresas macro, mas de pequenos comércios. Ficaram sem rendimento, mas devido à idade dos proprietários tinham o seu fundo de maneio. Não posso dizer que Pedrógão tenha passado grandes dificuldades. Estamos a falar de uma região pequena”, remata.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+