Siga-nos no Whatsapp

Eleições presidenciais

No Brasil, quem venceu à primeira volta nunca perdeu à segunda

27 out, 2022 - 06:15 • João Malheiro

Em nove eleições presidenciais desde o fim da ditadura, sete tiveram que ir a uma segunda volta. Lula da Silva foi o vencedor da primeira volta que mais cresceu num segundo turno eleitoral, quando foi eleito para os mandatos anteriores. Bolsonaro obteve a maior percentagem de votos de um candidato que ficou em segundo lugar.

A+ / A-

Jair Bolsonaro e Lula da Silva disputam, este domingo, a segunda volta das Presidenciais do Brasil de 2022.

Lula foi o mais votado no primeiro turno, com 48,43% dos votos. Ficou aquém da tão desejada vitória à primeira volta, com Bolsonaro, Presidente que tenta a reeleição, a conseguir 43,20%.

Na política, tal como no futebol, a história dos números não é a chave para um prognóstico 100% acertado do que pode acontecer. Mas na política, mais do que no futebol, o historial ajuda a perceber as probabilidades de cada cenário possível.

Numa campanha próxima e incerta como a do Brasil, o desfecho do domingo eleitoral é ainda mais difícil de prever.

A possibilidade de uma segunda volta em eleições Presidenciais, no Brasil, só começou a partir da aprovação da constituição brasileira de 1988, que terminou o período ditatorial e que define o atual regime da Nova República. A Renascença voltou atrás no tempo para olhar para as nove eleições presidenciais e verificou que só duas - as que elegeram Fernando Henrique Cardoso para os seus dois mandatos presidenciais - é que não acabaram em segunda volta.

E nessas sete ocasiões em que o Brasil teve de ir às urnas por duas vezes para escolher um chefe de Estado, o vencedor da primeira volta nunca perdeu à segunda.

Lula é quem mais cresce à segunda volta

A primeira eleição com a nova constituição teve lugar em 1989. À primeira volta, Fernando Collor do Movimento Brasil Novo obteve 30,47% dos votos, enquanto Lula da Silva - sim, já andava por lá - ficou-se pelos 17,18%. A vantagem considerável entre primeiro e segundo lugares não impediu segunda volta, visto que havia, ainda, mais 20 candidatos a dividir os restantes votos entre si. À segunda volta, Fernando Collor foi eleito por 53,03% dos votos, tendo Lula obitdo 46,97%.

Depois das vitórias decisivas no primeiro turno de Fernando Henrique Cardoso, em 1994 e 1998, o Brasil só foi chamado a uma segunda volta em 2002. No sufrágio inicial, Lula da Silva tinha recebido 46,44% dos votos, enquanto José Serra, que representava a coligação Grande Aliança, ficava-se pelos 23,19%. Na segunda parte da eleição, Lula recebeu 61,27% dos votos, enquanto José Serra só conseguiu 38,72%.

Na recandidatura, em 2006, Lula da Silva recebeu 48,61% e o seu principal rival, Geraldo Alckmin, pela coligação "Por um Brasil Decente" obteve 41,64%. Na segunda volta, Lula vence com 60,83% dos votos, face aos 39,17% de Alckmin.

Nas eleições em que foi vitorioso, Lula teve o maior aumento percentual de um turno para o outro, em 2002, de 46,44% para 61,27%, e também segura, até hoje, o recorde de maior número de votos conseguidos por um candidato presidencial, com 58.296.042 de votos, em 2006, na segunda volta.

Bolsonaro é o segundo lugar com mais votos

Com o fim da presidência de Lula, foi Dilma Rousseff, apoiada pela coligação "Para o Brasil seguir mudando" a obter 46,91%, na primeira volta, em 2010, seguida pelo repetente José Serra, em segundo lugar, com 32,61% dos votos. Na segunda volta, Dilma venceu com 56,05% dos votos, face aos 43,95% de José Serra.

Em 2014, na sua reeleição, Dilma teve a segunda vitória à primeira volta, em termos percentuais, com 41,59%. Em segundo ficou Aécio Neves, com 33,55%. No segundo turno da eleição, Dilma obteve 51,64% - a margem mais curta de um vencedor da segunda volta - enquanto Aécio Neves recebeu 48,36%.

Jair Bolsonaro entra em cena em 2018, ganhando o primeiro turno das presidenciais com 46,03%. Já Fernando Haddad obteve 29,28%. Na segunda volta, Bolsonaro alcançou 55,13% dos votos e Fernando Haddad só recebeu 44,87%.

Chega-se então ao atual ato eleitoral, em 2022, em que na primeira volta Lula da Silva recebe 48,43% dos votos. Bolsonaro fica com 43,20% e consegue levar as eleições a um segundo turno que parece incerto.

Se Lula tem recordes muito favoráveis no que toca ao crescimento nos segundos turnos eleitorais, a verdade é que Bolsonaro foi o segundo lugar de uma eleição presidencial que mais votos recebeu na primeira volta. O Presidente brasileiro parte ainda para esta segunda parte do ato eleitoral com a maior percentagem de votos de um candidato que não alcançou o primeiro lugar.

Apesar do resultado ser ainda incerto, quase garantido está um novo recorde de votos absolutos para o vencedor do sufrágio deste domingo. Lula da Silva obteve, à primeira volta, 57.259.504, enquanto Bolsonaro teve os já referidos históricos 51.072.345 para um segundo lugar. Até hoje, o vencedor das eleições presidenciais do Brasil, teve sempre mais votos absolutos na segunda volta, em relação ao primeiro turno.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+