Tempo
|

Diário de Guerra

Dia 82. Suécia confirma pedido de adesão à NATO, trégua em Azovstal

16 mai, 2022 - 20:00 • João Malheiro

A União Europeia continua a discutir um sexto pacote de sanções à Rússia, porém ainda não há consenso entre os países-membro.

A+ / A-

O 82.º dia de guerra entre Rússia e Ucrânia fica marcado por um anúncio de cessar-fogo em Azovstal para retirar soldados feridos cercados no complexo industrial.

Depois da Finlândia anunciar oficialmente o pedido de adesão à NATO, esta segunda-feira foi a vez da Suécia confirmar que também vai pedir para integrar a aliança transatlântica.

A União Europeia continua a discutir um sexto pacote de sanções à Rússia, porém ainda não há consenso entre os países-membro.

A Renascença resume os principais acontecimentos de mais um dia de conflito.

Trégua em Azovstal para retirar feridos

Foi anunciada esta segunda-feira uma trégua nos combates no complexo industrial de Azovstal, na cidade ucraniana de Mariupol, para retirar feridos, avançou esta segunda-feira a agência de notícias France Press, que cita o governo russo.

"Um acordo foi alcançado com representantes do exército ucraniano que estão bloqueados em Azovstal, em Mariupol, para evacuar os feridos", disse o Ministério da Defesa da Rússia.

Os militares de Moscovo adiantam que um "regime de silêncio" foi introduzido no terreno durante o processo de retirada dos soldados ucranianos feridos.

A siderurgia Azovstal, que está debaixo de ataque há várias semanas, é o único ponto de Mariupol ainda sob controlo das forças ucranianas.

Suécia confirma pedido de adesão à NATO

A primeira-ministra sueca, Magdalena Andersson, anunciou esta segunda-feira que o país vai candidatar-se oficialmente à adesão à NATO.

A decisão é histórica já que coloca um ponto final a dois séculos de uma politica de não-alinhamento militar, o que tem sido, de resto, uma marca da identidade nacional sueca.

Magdalena Andersson confirma, assim, que o seu país vai oficialmente candidatar-se à adesão à Aliança Atlântica.

"Vamos informar a NATO de que queremos tornar-nos membros da aliança", disse Andersson, em conferência de imprensa, em Estocolmo, depois de uma reunião extraordinária do executivo e de um debate parlamentar sobre política de segurança.

Em resposta, o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, anunciou que o país vetará a entrada da Finlândia e da Suécia na NATO se estes países mantiverem a sua política de "acolhimento de guerrilheiros curdos".

"A Suécia é um centro de incubação de organizações terroristas. Acolhe terroristas. No seu parlamento, há deputados que defendem os terroristas. A quem acolhe terroristas não diremos 'sim' quando quiserem juntar-se à NATO", declarou Erdogan.

Portugal prevê rápida "aprovação política" da adesão da Suécia e da Finlândia

Portugal apoia a decisão anunciada pela Suécia de se candidatar à NATO e conta estar "entre os mais rápidos" dos 30 países-membros a ratificar a adesão tanto da Suécia como da Finlândia, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros.

Em declarações aos jornalistas à margem de um Conselho de ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia (UE), em Bruxelas, João Gomes Cravinho, questionado sobre o desejo da Suécia de se tornar membro da Aliança Atlântica, hoje oficialmente anunciado por Estocolmo, começou por dizer que "o Governo português tomou nota e apoia esta decisão do Governo sueco, tal como em relação à posição assumida pelo Governo finlandês".

"Eu recebi há pouco uma mensagem da minha colega sueca a comunicar essa decisão por parte do Governo sueco. Sabemos que ainda há tramitação parlamentar, na Suécia e na Finlândia, mas a posição do Governo português será de acolhimento muito positivo e de apoio para a adesão rápida da Suécia e da Finlândia", disse.

Sexto pacote de sanções à Rússia sem consenso

O chefe da diplomacia da União Europeia (UE) reconheceu esta segunda-feira as dificuldades em garantir o apoio da Hungria à proposta para sancionar o petróleo russo, devido à dependência do país das importações da Rússia.

No âmbito do agravamento das sanções contra a Rússia por ter invadido a Ucrânia, em 24 de fevereiro, a Comissão Europeia propôs um embargo à importação de petróleo russo até ao final do ano, mas a Hungria opõe-se, apesar de a proposta prever um ano suplementar de transição para o país.

“Temos de convencer 27 países. Entre eles, alguns têm mais problemas do que outros. É uma situação objetiva que alguns Estados-membros enfrentam mais dificuldades”, admitiu Josep Borrell em Bruxelas, à entrada para uma reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros da UE sobre a situação na Ucrânia.

O diplomata espanhol referiu-se ao facto de haver países “mais dependentes porque não têm acesso ao mar, não têm a possibilidade de receber petroleiros”.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim Correto
    16 mai, 2022 Paços 21:56
    Alguém é capaz de me explicar uma coisa? Se o que levou à guerra entre a Rússia e a Ucrânia foi a intenção da Ucrânia ingressar na NATO, a mesma intenção da Finlândia e da Suécia não vai levar a um mesmo desfecho? Ainda por cima havia paz na Finlândia há 200anos! Há coisas que por muito que me expliquem, eu não consigo perceber!

Destaques V+