Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022

Guerra na Ucrânia

Mansão de oligarca russo ocupada em Londres. "Vocês ocuparam a Ucrânia, nós ocupamo-vos”

14 mar, 2022 - 18:50 • António Fernandes , correspondente em Londres

Protestantes querem que mansão de magnata do alumínio, Oleg Deripaska, sirva de alojamento para refugiados. Polícia Metropolitana de Londres garante que não há ocupantes no interior. Apenas quatro que permanecem numa varanda.

A+ / A-

Veja também:


Como muitas das outras mansões no centro de Londres que pertencem a oligarcas russos, o número 5 de Belgrave Square não estava a ser habitado. Um grupo de manifestantes tentou mudar isso.

Depois de conseguirem acesso durante a noite, surgiram tarjas na varanda que proclamavam a libertação da propriedade e insultavam Vladimir Putin. “Vocês ocuparam a Ucrânia, nós ocupamo-vos”, gritaram ao longo do dia.

A propriedade em questão, perto de uma zona onde ficam muitas embaixadas, pertence ao magnata do alumínio Oleg Deripaska.

Também como muitas das outras mansões no centro de Londres que pertencem a oligarcas russos não está registada no seu nome, mas no nome de uma empresa.

Deripaska viu os seus bens congelados na última semana, vítima da última ronda de sanções do Reino Unido. Tido como aliado de Putin, apelou à paz assim que a invasão à Ucrânia começou. Em tempos, confrontado com sanções que lhe foram aplicadas pelos EUA em 2018, Deripaska disse que a ideia de que é um “operativo do Kremlin é uma idiotice sem sentido”.

Isso não chegou para convencer os protestantes, que argumentam que o seu silêncio antes da guerra é “um ato de violência”.

Com o sol a brilhar, foi na varanda que os protestos continuaram. Os manifestantes aproveitaram para dar algumas entrevistas, dizendo que a ocupação mostrava solidariedade com as pessoas da Ucrânia.

Lá em baixo, na rua, uma forte presença policial, com mais de 10 veículos e dezenas de agentes no local. Mas os nervos não se instalaram e boa disposição esteve sempre presente.

A entrada na casa foi conseguida com “grande técnica de escalada e magia” disseram, tocaram a música “I’ve Had the Time of My Life” e quando as pessoas das casas adjacentes foram à janela ver o que se passava apresentaram-se como os seus novos vizinhos.

A ação é legítima, dizem os manifestantes, porque se trata apenas de um protesto e não de ocupar a casa para habitar. A Polícia, no entanto, não concorda. Depois de forçar a entrada na propriedade, furando a porta, a Polícia Metropolitana de Londres garantiu que não há mais protestantes no interior.

Sobram então os quatro protestantes que estão na varanda - e que inicialmente se pensava serem pelo menos cinco - e que estão neste momento completamente cercados pela polícia de intervenção, que está também dentro da habitação. A intervenção para retirar os protestantes da propriedade continua à hora da publicação.

Cerca das 18h00, duas pessoas foram detidas por tentarem quebrar o cordão de segurança para se juntarem ao protesto.

O objetivo final da ocupação era “recuperar este edifício para os refugiados que estão a fugir das suas casas”. Falando diretamente para a ministra da administração interna, um dos protestantes disse: “Priti Patel, não te preocupes! Já fizemos o teu trabalho. Nós tratamos do alojamento, é só trazê-los”. Essa ideia, no entanto, não é apenas um devaneio de uns protestantes - mesmo que acabem removidos e detidos pela polícia. Em entrevista à agência noticiosa Associated Press (AP), disseram que esse desfecho sempre tinha sido “uma das opções e que o grupo está preparado para lidar com as consequências de algo em que acreditam.”

Dos oligarcas para os refugiados?

Confrontado com o incidente na propriedade de Deripaska, o porta-voz do primeiro-ministro Boris Johnson disse que “ocupar um prédio habitacional é ilegal”. No entanto, a ideia de utilizar as propriedades de russos que viram os seus bens congelados para alojar refugiados, não foi afastada, com o porta-voz a dizer que o Governo está a trabalhar para “identificar formas de utilizar de forma apropriada propriedades retidas enquanto os donos estão sujeitos a sanções”.

Uma ideia que ganhou apoio popular como uma espécie de reposição de justiça, não parecia mais do que isso até o ministro Michael Gove ter admitido que essa era uma vontade do Governo mas que “era exigente do ponto de vista legal” e que não podia “ser uma solução permanente para os refugiados”.

Sadiq Khan, Mayor de Londres, em declarações à BBC hoje também apresentou esta solução como uma hipótese que deve ser explorada, dizendo que há “dezenas e dezenas de casas grandes em Londres que estão vazias a maior parte do ano e por isso não é preciso retirar os oligarcas dessas casas, elas já estão vazias”.

Com o apoio do Governo, as portas das mansões dos oligarcas podem-se abrir para os refugiados em breve. Já a casa de Deripaska, para já, tem quatro novos residentes na varanda.

[notícia atualizada às 19h10]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+