Tempo
|

Diário de Guerra

Dia 40 de guerra. Comunidade internacional reage ao "genocídio" em Bucha

04 abr, 2022 - 21:22 • João Malheiro

Volodymyr Zelenskyy acusa a Rússia de genocídio e diz que a Ucrânia está a ser "destruída e exterminada" pelas forças russas. A União Europeia vai começar a preparar, com urgência, novas sanções à Rússia, anuncio o chefe da diplomacia europeia.

A+ / A-

Veja também:


O dia 40 da guerra entre Rússia e Ucrânia ficou marcado pela reação da comunidade internacional ás imagens chocantes das ruas de Bucha, nas imediações de Kiev.

Pelo menos 300 civis foram mortos e uma vala comum foi encontrada ainda aberta.

Em reação, Volodymyr Zelenskyy acusa a Rússia de genocídio e diz que a Ucrânia está a ser "destruída e exterminada" pelas forças russas.

“Na verdade, isto é genocídio”, afirma o Presidente ucraniano a propósito das alegadas atrocidades cometidas no país. Em entrevista à CBS News, no domingo, descreve a invasão russa como uma "tortura a toda a nação".

Zelensky afirma que o povo da Ucrânia não quis ser subjugado pela Rússia e que, por isso, está a ser destruído e exterminado.

Questionado diretamente sobre se as ações da Rússia constituem um genocídio, respondeu: "Na verdade, isso é genocídio. A eliminação de toda a nação e do povo. Somos cidadãos da Ucrânia. Temos mais de 100 nacionalidades. Trata-se da destruição e extermínio de todas essas nacionalidades".

A Rússia, por seu lado, nega que o seu Exército tenha matado civis em Busha e garante que todas as fotografias e vídeos publicados pelo Governo ucraniano são "uma provocação".

"À luz das provocações odiosas dos radicais ucranianos em Busha, a Rússia solicitou uma reunião do Conselho de Segurança da ONU na segunda-feira, 4 de abril", escreveu na rede social Twitter o vice-embaixador da Rússia na ONU, Dimitri Poliansky.

Macron favorável a novas sanções contra a Rússia

O Presidente francês mostrou-se favorável a que a União Europeia (EU) decrete novas sanções contra a Rússia, nomeadamente sobre o carvão e o petróleo, depois da descoberta de centenas de corpos civis na região de Kiev.

"O que aconteceu em Bucha impõe um novo conjunto de sanções e medidas muito claras", disse Emmanuel Mácron à rádio France Inter.

"Portanto, estaremos em concertação com os nossos parceiros europeus, especialmente a Alemanha", acrescentou o Presidente francês, referindo-se a uma possível imposição de sanções e medidas individuais sobre "o carvão e o petróleo".

A União Europeia vai começar a preparar, com urgência, novas sanções à Rússia, anunciou esta segunda-feira o chefe da diplomacia europeia, num comunicado em que condena "as atrocidades" cometidas pelas tropas russas na Ucrânia.

"As autoridades russas são responsáveis por estas atrocidades cometidas enquanto detinham controlo efetivo da área", lê-se na nota de Josep Borrell.

"A UE continua a apoiar firmemente a Ucrânia e começará, com caráter de urgência, a preparar novas sanções à Rússia", escreve ainda o Alto Representante para a Política Externa do bloco.

Bruxelas, acrescentou, "condena com a maior veemência as atrocidades que terão sido cometidas pelas forças armadas russas em várias cidades ucranianas que foram agora libertadas".

Bruxelas abre investigação a "crimes hediondos" em Bucha

A presidente da Comissão Europeia anunciou esta segunda-feira uma investigação da União Europeia (UE) a alegados crimes cometidos em Bucha e noutras cidades ucranianas pelas tropas russas, salientando que os “perpetradores de crimes hediondos não podem ficar impunes”.

“Esta tarde falei com o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, sobre os terríveis assassínios que foram descobertos em Bucha e noutras áreas de onde as tropas russas saíram recentemente. Transmiti-lhe as minhas condolências e assegurei-lhe o total apoio da Comissão Europeia nestes tempos terríveis”, afirma Ursula von der Leyen, numa declaração hoje publicada.

Vincando que “os perpetradores destes crimes hediondos não podem ficar impunes”, a líder do executivo comunitário anuncia que “a UE criou uma equipa de investigação conjunta com a Ucrânia para recolher provas e investigar crimes de guerra e crimes contra a humanidade”.

“As imagens angustiantes não podem e não serão deixadas sem resposta”, salienta.

Ucrânia. Imagens mostram civis mortos nas ruas de Bucha após retirada russa
Ucrânia. Imagens mostram civis mortos nas ruas de Bucha após retirada russa
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • MANUEL DA COSTA
    04 abr, 2022 SYDNEY 23:21
    Da Guerra entre a Rússia com Ucrânia, (para não dizer entre a Rússia e o Mundo ocidental) estão a passar das armas para as palavras; das verdades para as mentiras. Pergunto: será difícil ou impossível verificar as acusações feitas de parte a parte? Quanto aos corpos encontrados não se poderá chegar à conclusão através dos projécteis neles encontrados? O que poderá ser difícil, não é impossível. Assim para quem possa duvidar, a verdade será confirmada.

Destaques V+