Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022

​Hora da Verdade

Catarina Martins justifica diminuição de funcionários no BE: “Tem de ter sempre contas certas”

15 set, 2022 - 07:00 • Susana Madureira Martins (Renascença) , Liliana Borges (Público)

Líder bloquista admite que a situação financeira do partido "é difícil", depois de ter sido reduzida reduzida para metade a subvenção estatal, na sequência do resultado eleitoral de 30 de janeiro.

A+ / A-

Em entrevista ao programa Hora da Verdade da Renascença e do jornal Público, a líder bloquista garante que o partido "não tem dívida" e assume que a necessidade de "contas certas" obrigou a reduzir o número de funcionários

Olhemos para a situação interna do Bloco de Esquerda, que teve de encolher a sua situação financeira e até a sua representação parlamentar por causa do resultado das eleições legislativas. Quantos funcionários é que tem a menos? Quantas sedes fecharam?

Isso já foi noticiado. Não é propriamente novidade. Há metade dos funcionários que existiam. No BE há uma grande consciência por parte de todos os aderentes, não só por parte da direção, de que é fundamental a independência do partido.

O BE não tem dívida. O BE não pede favores, não está preso a nenhum poder. E, por isso mesmo, tem de trabalhar com as condições financeiras que tem em cada momento. E tem de ter sempre contas certas e contas transparentes.

Aliás, a Entidade das Contas, ano após ano, vem reconhecendo o BE como o partido com as contas mais certas e mais transparentes. Essa autonomia do nosso funcionamento é assim mesmo. Há um resultado eleitoral pior, o BE tem menos recursos financeiros e, portanto, reduz a sua estrutura porque não vai trabalhar em dívida. É difícil, sim. Mas estamos todos de acordo que esse é o caminho.

Não é contraditório com aquilo que o BE defende na Assembleia da República?

Não. O BE, aliás, tem defendido que quem tem lucros não pode despedir. Como infelizmente sabe, não é o caso do BE.

A subvenção estatal diminuiu. É possível fazer as contas financeiramente ao BE? Não há aqui uma questão de sobrevivência?

Não, de todo.

O BE perdeu influência política. Como se dá a volta a isto?

A relação com o Governo, como se sabe, nos últimos dois anos já não existia. O PS achava que ou aceitam os nossos truques ou não aceitam.

Mas havia uma maioria relativa e as decisões do Bloco influenciavam as políticas do país.

Os partidos têm a representação que lhes é dada pelo voto. Mas têm, sobretudo, de ter a coerência política e a responsabilidade política de construir projectos.

Bloco de Esquerda quer taxar lucros excessivos da banca para apoiar famílias com crédito à habitação
Bloco de Esquerda quer taxar lucros excessivos da banca para apoiar famílias com crédito à habitação

Considera que o eleitor até já fez as pazes com o BE desde o OE depois das eleições?

Não tenho dúvidas que há gente que compreendeu o perigo desta maioria absoluta do PS. Ou nós, ou a direita, que é um discurso vazio sobre o projecto para o país. Aliás, vivemos este momento de ridículo em Portugal, que é o do PSD dizer :“ai, o que o PS apresentou era o que nós queríamos apresentar”. Se calhar não era bem isto que as pessoas queriam quando foram votar no PS com medo da direita. Mais do que isso o que é preciso é criar os diálogos amplos que permitam maiorias sociais que não desistam do país.

O BE resume se aos cinco deputados que têm no Parlamento ou têm mobilização fora da Assembleia da República?

Claro que sim. Nunca se resumiu ao Parlamento.

Mas não têm expressão a nível local como a nível nacional...

Há um activismo militante de quem a esquerda luta nos mais variados sectores que se encontram no Bloco de Esquerda e que não têm a ver com a representação institucional. Aliás, o Bloco foi criado assim e ainda bem. É aí que estamos e continuaremos a estar. Nós não negamos as dificuldades do momento, mas sabemos que não limitam de maneira nenhuma a responsabilidade do Bloco e nem mesmo a nossa capacidade de actuar. Não procuramos desculpas. Sabemos toda a responsabilidade que temos e trabalhamos.

Falou na necessidade de diálogo com as forças políticas. Voltou a falar directamente com o António Costa? Esse diálogo vai ser possível agora na discussão do OE?

Eu acho que no OE há visões muito diferentes e que a escolha vai fazer entre dois blocos: o bloco que se vai resignar a uma perda progressiva e cada vez maior e permanente de rendimento dos salários e pensões; ou quem vai tentar contrariar e quem vai fazer propostas para que seja possível defender quem vive do seu trabalho. Não espero ver o Governo do mesmo lado do BE, infelizmente.

Não acredita que seja possível uma negociação específica com o Governo?

As maiorias absolutas são maiorias absolutas. O PS fez tudo para ter uma maioria absoluta.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+