Tempo
|

Hora da Verdade

Diogo Ayres Campos. Comissão quer valores fixos para médicos tarefeiros

23 jun, 2022 - 07:04 • Susana Madureira Martins (Renascença), Ana Maia (Público)

Há precisamente uma semana Diogo Ayres Campos foi indicado pela ministra da Saúde para presidir à comissão de acompanhamento de resposta em urgência de ginecologia, obstetrícia e bloco de partos e define como prioridade conseguir "planear pelo menos a um mês" e saber exactamente "quais são os médicos prestadores de serviço que vão fazer urgências com antecedência".

A+ / A-
"Tem que se chegar a um consenso" sobre os valores a pagar aos tarefeiros
"Tem que se chegar a um consenso" sobre os valores a pagar aos tarefeiros

Em entrevista ao programa Hora da Verdade da Renascença e do jornal Público, o médico e director do serviço de obstetrícia do Hospital de Santa Maria, em Lisboa quer avançar rapidamente com uniformização dos preços a pagar por hora aos tarefeiros e admite que os obstetras “parecem estar mal distribuídos” no Serviço Nacional de Saúde.

Quando é se vão começar a sentir os efeitos da existência da comissão?

Em alguns aspectos, que temos de actuar a curto prazo, esperemos já durante o Verão de 2022 tenhamos esse efeito. Um dos objectivos da comissão é evitar que existam situações de muitas contingências ao mesmo tempo, em que os outros hospitais que não estão em contingência têm de dar apoio. Se forem muitas contingências ao mesmo tempo, isso pode causar situações de risco que queremos evitar.

O hospital de Setúbal prevê fechar a urgência obstétrica 21 dias durante o Verão. Qual é o retrato das restantes urgências?

Neste momento não tenho ainda dados para o fazer. O que fizemos durante o fim-de-semana com o ministério, e com as instituições ligadas ao ministério, foi estabelecer o plano para conseguir recolher esses dados todos. Temos de ter esses dados de uma forma muito rigorosa, prestados pelas Administrações Regionais de Saúde [ARS].

Esses dados vão ser compilados até quando?

Durante esta semana estamos à espera de ter esses dados todos a nível nacional.

Há falta de obstetras no país ou há falta de obstetras no SNS?

Claramente que falta de obstetras no SNS existe, porque senão em certos hospitais que têm sete ou oito obstetras isso não aconteceria. A questão é que eles parecem estar mal distribuídos. A curto prazo estamos em modo de resposta aguda, mas logo que essa resposta esteja garantida, temos de avaliar exactamente onde são mais necessários os obstetras e se de facto é necessário repensar a rede de referenciação em obstetrícia e ginecologia.

Implicaria concentração de maternidades, por exemplo?

É uma das coisas que está em cima da mesa, mas depende muito das situações que conseguirmos avaliar. Há alguns hospitais que estão muito próximos uns dos outros, mas é preciso assegurar que há capacidade de resposta. Se se puser em cima da mesa a possibilidade de concentrar recursos, é preciso assegurar que os hospitais que ficam têm resposta para o número de partos que esses hospitais normalmente conseguem garantir. Neste momento, não há nada decidido.

Em Junho de 2019 existiram muitas notícias muito semelhantes às que vemos agora. Por que estamos a viver três anos depois uma situação idêntica?

Ao longo destes três anos a situação foi-se degradando lentamente, porque os obstetras saem lentamente para a medicina privada ou reformam-se. Também há alguns que entram. Estas mudanças nunca são agudas. Penso que havia intenção - é um julgamento meu - do Governo de pegar neste assunto. Mas depois o foco foi a pandemia e durante dois anos não se tomaram nenhumas medidas que fossem estruturantes e que pudessem evitar que esta situação tivesse acontecido.

Qual é o plano que já começou a desenhar para limitar estes efeitos que vimos agravados ao longo destas semanas?

Primeiro, é tentar avaliar a situação de uma forma muito objectiva. Outro aspecto que acho muito importante é conseguimos avaliar e planear com alguma distância. Precisamos de saber quais são os médicos prestadores de serviço que vão fazer urgências com antecedência. Queremos planear pelo menos a um mês, para ser possível avisar algumas pessoas no caso de ser necessário trocar contingências de um dia para o outro, para assegurar que elas não ocorrem todas ao mesmo tempo. Eventualmente se existirem situações que são impossíveis de lidar trocando contingências, pode haver necessidade de concentrar recursos numa maternidade e passar a equipa da maternidade que fica temporariamente encerrada para outra. É algo que também está em cima da mesa e que aguarda todas estas informações para saber se é necessário ou não.

Isso é um pouco o conceito das urgências metropolitanas...

O problema das urgências metropolitanas em obstetrícia é um pouco mais complexo do que a urgência aberta para o exterior. Não só grávidas e mulheres com problemas urgentes que vão às urgências, vão aquelas que estão em trabalho de parto. Se concentrar as urgências metropolitanas num único hospital, preciso de assegurar que tenho uma sala de partos com dimensão suficiente. A seguir vem a parte do pós-parto e do recém-nascido e tenho de ter condições hoteleiras para que essas senhoras possam estar. Acho que é possível alguma concentração de recursos, mas com muito cuidado para assegurar que não há depois excesso de procura nas restantes instituições.

Diogo Ayres Campos. "Todos estamos a prazo" sobre a saída de Marta Temido
Diogo Ayres Campos. "Todos estamos a prazo" sobre a saída de Marta Temido

A comissão já disse que gostaria que houvesse a harmonização dos valores pagos à hora aos tarefeiros. Quais os valores adequados?

Os valores adequados devem ser, no meu entender, muito parecidos com aqueles valores que são pagos aos médicos do SNS.

Disse que há uma espécie de leilão de preços, que os tarefeiros aguardam até à última e depois os hospitais perante a necessidade vão aumentando o valor/hora. Que valores máximos é que são praticados?

Não lhe sei responder com conhecimento de causa. O que queremos é ter, ao longo desta semana, acordado com todas as ARS quais são os valores que se pagam aos prestadores de serviço em cada hospital para o Verão de 2022. Admito que depois no futuro possam haver alterações. Achamos que não podem ser todos iguais, senão favorece os hospitais mais perto das grandes zonas urbanas e também há hospitais que são mais complexos do que outros e as pessoas podem tender ir trabalhar em sítios mais próximos dos centros urbanos e também para aqueles que têm menos complexidade nas suas doenças. Tem de haver algum equilíbrio para assegurar que a oferta é atraente, mas devem ser todos estabelecidos com antecedência para que não haja decisões muito tardias porque isso prejudica o planeamento.

Não será um preço igual para todos?

Um preço que seja semelhante para as regiões, alterado ligeiramente de acordo com as características do hospital, se é mais complexo ou menos, e a distância dos grandes centros.

É possível conseguir?

Acho que é possível e é um desafio grande que estamos a colocar às ARS, com o apoio da comissão e obviamente com interacções com os hospitais e prestadores de serviço. Penso que nesta semana vamos conseguir arranjar um consenso. Também é muito claro que se não se chegar a um consenso, que a comissão de acompanhamento, juntamente com o ministério, irá assegurar que esse acordo se faça.

Como?

No sentido de sermos nós a definir esses preços dos prestadores.

Os tetos máximos?

Estamos a falar de valores fixos para todo Verão de 2022, porque achamos que isso vai estabilizar a procura e a oferta. Não queremos de maneira nenhuma hostilizar os prestadores de serviço, porque grande parte da oferta depende neste momento dos prestadores de serviço. Não queremos também estar a condicionar uma descida grande dos preços, não seria sensato no meio de uma crise no Verão estar a alterar isso. Isso é uma coisa que se pode pensar no futuro. Queremos é assegurar que as decisões são feitas com antecedência e que não existam algumas ofertas que parecem ser de facto absurdas em termos de quantidade de dinheiro que é gasto com esses prestadores de serviço.

Diogo Ayres Campos prefere que não seja necessário recorrer aos privados
Diogo Ayres Campos prefere que não seja necessário recorrer aos privados

Há sempre uma grande dificuldade no Verão. E no Natal, haverá um plano específico para essa altura?

Acho que grande parte do problema assenta na falta de atratividade do SNS para os médicos. Isso passa por aspectos financeiros, é verdade, e por aspectos de organização. Se vai haver ou não no Natal de 2022 novamente esta crise, depende muito das reformas que forem possíveis de implementar até essa altura. A nossa tarefa não é só para o Verão de 2022, é aconselhar o Ministério da Saúde em relação às reformas que são necessárias implementar na área de obstetrícia e ginecologia para que as urgências não sejam o centro da actividade como são neste momento.

Temos alguns hospitais do SNS que têm mais de 100 avaliações na admissão por dia, enquanto nos grandes hospitais, por exemplo, de Inglaterra andam à volta de 15. Temos de repensar a forma como estamos a orientar grande parte destas situações para a urgência, quando podem existir outras soluções que são mais adequadas. E também do ponto de vista financeiro é um investimento menor do Estado, porque as nossas equipas nas urgências são bastante mais inflacionadas, que noutros pontos da Europa, à custa destas soluções que empurram muito para a urgência.

Em conferência de imprensa, a ministra falou na requisição de médicos estrangeiros. Quais poderão ser as regras de contratação de médicos estrangeiros e incentivos?

Os médicos estrangeiros europeus têm duas dificuldades enormes. Primeiro a língua, porque a grande maioria não fala português. Depois têm outra dificuldade enorme. Não há nenhum médico europeu que queira vir trabalhar para Portugal ao preço que se paga em Portugal. Há alguns médicos brasileiros, alguns dos quais têm a equivalência da especialidade, e de países africanos de expressão portuguesa, mas já estão integrados nessas equipas de prestadores de serviço. Não estou a ver uma grande capacidade de aumentar essa resposta em termos de médicos estrangeiros neste momento.

E a repartição de tarefas com os enfermeiros especialistas, nomeadamente em relação aos partos de baixo risco?

As práticas são muito diversas de hospital para hospital. Em alguns hospitais há muitos médicos internos que estão em formação e que querem fazer partos e alguns procedimentos que também podem ser feitos pelos enfermeiros, nomeadamente a correcção das suturas. Há outros em que como há poucos médicos, os enfermeiros assumem grande parte dessas tarefas. Acho que tem havido também algum vazio de orientações em relação a isso. É fundamental que seja claro quais são as tarefas que estamos à espera dos enfermeiros especialistas, para que não haja sobreposição de tarefas e até alguma conflituosidade. Isso é um dos temas, das orientações, que queremos abordar com a Direcção-geral da Saúde e que já está na agenda.

Hora da Verdade com Diogo Ayres Campos
Hora da Verdade com Diogo Ayres Campos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+