25 de Abril. O essencial dos discursos na Assembleia da República em 15 frases

25 abr, 2019 - 12:37 • Rui Barros , Eunice Lourenço , Susana Madureira Martins

Ataques ao governo, alertas para o populismo, elogios e críticas a Marcelo. Na celebração dos 45º aniversário da revolução de abril a Assembleia da República teve de tudo. Saiba o essencial do que foi dito.
A+ / A-

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República

“Mais ambição na democracia, na demografia, no Portugal pós-colonial, na digitalização, num mundo mais sustentável. Parece um programa impossível? Talvez. Mas a história faz-se sempre de programas, de ideias impossíveis. Portugal é uma impossibilidade com quase 900 anos. Porque haveríamos de ser nós a não acreditar em Portugal?”´

[+ ver mais ]


Ferro Rodrigues, presidente da Assembleia da República

“[Marcelo Rebelo de Sousa] tem sido uma muralha simbólica contra o crescimento do populismo, pelo papel decisivo e essencial que tem assumido durante a sua Presidência da República".

“Em ano eleitoral deixo um apelo aos líderes políticos e parlamentares: que sejam capazes de travar um debate franco e leal, baseado em alternativas políticas claras. A política democrática é essencialmente isso: um confronto tolerante entre interesses sociais e programas políticos conflituantes”

“A política de casos é a arma dos fracos. Daqueles que não tem ideias nem alternativas. Não só dos desafios estruturais do pais, mas problemas concretos das pessoas. Só serve para minar a democracia e envenenar a vida publica”.

[+ ver mais ]


Pedro Roque, deputado do PSD

“Não gostaríamos de voltar a ver Portugal sujeito a ajuda financeira externa, tal como sucedeu em 2011. (…) Verificamos que toda a ‘ciência governativa’ se resumiu ao exercício de uma gestão corrente adequada aos interesses de uma agenda tática, por forma a garantir a sobrevivência da coligação parlamentar. Compreende-se, mas é contraproducente”.

[+ ver mais]


Carlos César, líder parlamentar do PS

"O espírito do 25 de abril é o de sermos valorizados e respeitados por pensarmos e por agirmos todos de forma diferente. Por isso, para nós, para o partido de Mário Soares, evocar hoje o 25 de abril não é necessariamente depreciar a direita política ou obrigatoriamente exaltar a esquerda. É respeitarmo-nos na nossa diversidade"

[+ ver mais]


Jorge Falcato, deputado do BE

“O Serviço Nacional de Saúde pode voltar a andar de cravo ao peito, como Arnaut o sonhou, ou manterá a porta aberta para o negócio dos privados, em cedência à pressão presidencial?”

“A novidade dos dias que correm é que abril fica mais vivo com todas estas lutas porque este é o verdadeiro espírito que estes cravos carregam. A vontade de um povo que se agigantou nas adversidades e que se junta agora por novas conquistas”

[+ ver mais]


Filipe Anacoreta Correia, o deputado do CDS

“A promiscuidade com o poder, seja de âmbito económico, partidário ou familiar, é incompatível com a dignidade democrática e atraiçoa abril”.

“O que precisamos ainda de ver, para ouvir um pedido de desculpas – por parte de um governo, um partido ou um regime – pelo escândalo do que foi tirado aos portugueses em compadrios políticos e económicos que destruíram riqueza e atiraram empresas como a CGD, o BES ou a PT para perdas que todos suportamos”.

[+ ver mais]


Diana Ferreira, deputada do PCP

“Num país fustigado por mais de quatro décadas de política de direita, com especial brutalidade durante o período da política dos PEC e do Pacto de Agressão, foi preciso lutar muito para derrotar os planos daqueles que, a partir dos grupos económicos e do Governo PSD/CDS-PP, pretendiam eternizar a política de cortes de direitos, agravamento da exploração e empobrecimento”.

“É preciso ir mais longe. Todas as medidas tomadas são certamente pequenos passos, tendo em conta a dimensão dos problemas do povo e do país”.

[+ ver mais]


Heloísa Apolónia, deputada do PEV

“Abdicar do direito de votar, que custou a conquistar, é uma rendição ao conformismo, é deixar nas mãos dos outros a decisão, quando a verdade é que cada voto conta para fazer a diferença e determinar a correlação de forças políticas”.

[+ ver mais]


André Silva, deputado do PAN

“Faltam 10 anos, 8 meses, 5 dias e 13 horas para o ponto de não retorno. Se todos e todas quisermos, se todas e todos nos unirmos tal como fizemos há 45 anos, ainda vamos a tempo”, em referência às alterações climáticas.

“Vivemos a crédito, a bancarrota ambiental está anunciada, e quem tem poderes de supervisão e de intervenção continua em modo negligente”.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    26 abr, 2019 Trofa 09:46
    em vez de aproveitar o dia para meditarem, pelo menos não enganarem o povo. O PCP fala sobre a direita, se calhar, como ganham muito dinheiro nem reparam que estes últimos 4 anos o povo nunca foi tam fustigado com aumentos brutais de impostos, com o aval do pcp e be a do PEV, deverão saber que as pessoas estão cansadas de votar em partidos tipo PEV que alinham com politicas de aumento de impostos e que só ganham os deputados e os ricos, votar no pev ou be ou pan é como dar perolas a porcos. em vez de falarem, respeitem o 25 de abril e meditem das asneiras que fizeram todos os políticos desde 25 de abril 74 até hoje, só enriqueceram a vocês próprios. é os políticos que temos