WikiLeaks

Afinal, quem tramou Assange? Da acusação de “bizarria” às denúncias de corrupção ao líder do Equador

12 abr, 2019 - 23:55 • Tiago Palma

Entre acusações de “conduta higiénica imprópria”, agressões ou espionagem, o governo do Equador garante que a WikiLeaks “cruzou uma linha muito grave" com a divulgação da conta secreta no Panamá que financiou a vida faustosa do Presidente Moreno na Europa. "A embaixada já era bem pior do que qualquer prisão”, acusa a WikiLeaks em defesa de Assange.
A+ / A-

Leia também:


19 de junho de 2012. Neste dia, e até à última quinta-feira – passaram-se entretanto 2487 dias –, quando o fundador da WikiLeaks acabaria detido pelas autoridades britânicas, o número 3 de Hans Crescent, no bairro de Knightsbridge, em Londres, tornou-se o asilo de Julian Assange. Assange refugiou-se na embaixada equatoriana para evitar a extradição para a Suécia, que solicitou que o fundador do WikiLeaks se entregasse por supostos crimes sexuais, um processo que, entretanto, prescreveu. Desde então, habitava (e trabalhava) num quatro exíguo na embaixada do Equador. E fora tido, Assange, pelo ex-Presidente equatoriano, Rafael Correa, como um "herói" cujas denuncias "defendiam a liberdade".

Mas a relação com o Equador começou a deteriorar-se quando o número dois de Correa, Lenin Moreno, ascendeu em 2017 à presidência – curiosamente, foi já com Moreno que foi concedida a Assange a cidadania equatoriana, não lhe chegando a ser atribuído o estatuto de diplomata tão somente porque Londres rejeitou o pedido. Lenin Moreno, próximo que é de Washington – o Presidente do Equador inicia na próxima semana uma visita de Estado de seis dias aos EUA –, e antes mesmo de ascender ao poder, descrevia já Assange, não com heroísmo, mas como um mero “hacker”.

Ao longo do último ano e meio, contudo, a relação deteriorou-se mais e mais – foi cortado o acesso de Assange à internet e ao telefone, e passaria a ter visitas reduzidas na Embaixada, alegadamente para que este não comentasse assuntos de política internacional –, o que levaria mesmo Lenin Moreno a dizer, logo após a detenção do fundador da WikiLeaks, que o Equador se livrara de uma “pedra no sapato”. Porquê? Há duas versões, a de Moreno (e do governo) e a da WikiLeaks (e da oposição ao governo).

Julian Assange detido no Reino Unido
Julian Assange detido no Reino Unido

Começando pela do Presidente, Lenin Moreno acusou Assange de ter instalado equipamentos eletrónicos de distorção (não permitidos) e de ter bloqueado câmaras de segurança da missão diplomática equatoriana em Londres. Mais: o Equador lembra o quanto gastou com Assange para garantir a segurança do “hóspede”: 6,2 milhões de dólares. "A paciência do Equador chegou ao limite", atirou o Presidente, que acusa igualmente o rosto da WikiLeaks de ter “agredido e maltratrado” guardas da embaixada e acedido, “sem autorização”, aos arquivos de segurança.

Mais longe nas acusações foi a ministra da Administração Interna do Equador. María Paula Romo explicou que Assange manteve uma “conduta higiénica imprópria” (este terá, alegadamente, esfregado fezes nas paredes da dependência diplomática) e um comportamento descrito como “bizarro”, o que tornaria a sua permanência na embaixada “insustentável”. “O fim do asilo é não só um protesto soberano do Equador, mas também a consequência do incumprimento reiterado das normas de asilo e de mínima convivência”, concluiu María Paula Romo.

Mas nem só de bizarrias se fez a relação de Julian Assange com o Equador – e, nomeadamente, com o Presidente equatoriano. A ministra da Administração Interna lembrou que a WikiLeaks “cruzou uma linha muito grave nos últimos dias”. E acrescentou: “Neste momento, o governo equatoriano e o Presidente são alvos de uma grande campanha, uma campanha de ataque à reputação, que também está a ser orquestrada pela WikiLeaks”.

Mas de que fala María Paula Romo? Dos INA Papers. Ou seja, da revelação (num site anónimo; a WikiLeaks já veio negar que Assange estivesse envolvido na publicação das denuncias) da existência de uma conta secreta no Panamá, no Balboa Bank, em nome da família do Presidente do Equador (terá sido criado pelo irmão deste), que serviria para financiar a vida luxuosa da família Moreno na Europa aquando da sua passagem pelas Nações Unidas.

O antigo Presidente do Equador, Rafael Correa, que vive hoje exilado em Bruxelas – recusa regressar ao Equador (onde é alvo de dezenas de investigações judiciais) e diz-se vítima de “perseguição” –, já reagiu à detenção de Assange e garante que se tratou de uma “vingança pessoal” de Lenin Moreno devido à denúncia daquele “caso muito grave de corrupção" que o envolve. “Ele [Moreno] pôs a vida de Assange em perigo e humilhou o Equador”, disse ainda, acusando o seu ex-número dois de ser “o maior traidor da história latino-americana”.

O editor-chefe do WikiLeaks, o jornalista islandês Kristinn Hrafnsson, veio entretanto acusar Lenin Moreno de utilizar Julian Assange (e a detenção de Assange) para “desviar a atenção” dos INA Papers. “Acho que é bastante óbvio que se trata de uma tentativa de desviar a atenção dessa investigação sobre ele. O Wikileaks não teve nada a ver com a publicação ou a obtenção dessas informações. Desde que ele tomou posse que era hostil ao Julian e queria livrar-se dele. No final, a embaixada já era bem pior do que qualquer prisão”, lembrou.

Agora, a WikiLeaks promete lutar contra a possível extradição de Julian Assange para os Estados Unidos. “Vamos lutar contra a extradição, que é uma perseguição política. Não é um indivíduo [Presidente Moreno] que tem a capacidade de mudar o que o Estado concordou em fazer. Se o Estado garantiu a alguém um asilo político, está comprometido, de acordo com a lei internacional, com aquela proteção. Mesmo que haja uma mudança na liderança não se pode, arbitrária e unilateralmente, decidir que se vai retirar aquela proteção”, explicou Kristinn Hrafnsson.

Assange, de 47 anos, foi detido devido a um mandado de extradição norte-americano por “pirataria informática”, que será analisado numa audiência judicial a 2 de maio, e a um mandado emitido em junho de 2012 pela justiça britânica por não-comparência em tribunal, um crime passível de ser punido com um ano de prisão. Em 2010, o WikiLeaks divulgou mais de 90.000 documentos confidenciais relacionados com ações militares dos Estados Unidos no Afeganistão e cerca de 400.000 documentos secretos sobre a guerra no Iraque.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Girâo
    13 abr, 2019 Lisboa 08:36
    O apoio de TRUMP incondicional á INGLATERRA na questão do BREXIT vai determinar a sua extradição para EUA ou ficará sózinha e isolada contra a poderosa Alemanha que irá finalmente desforrar-se da derrota na segunda guerra Mundial.A Inglaterra nunca falou alemão nem foi ocupada como franceses etc .O dito cujo com a cedência de informações aos jornalistas pôs em causa muitas vidas de militares e civis na guerra do afganistao ,iraque.etc e deteriou relações internacionais. Os jornalistas por sua vez ao não filtrarem divulgaram factos e politicas sensíveis etc q puseram em perigo EUA e o mundo etc.EUA é ainda o TODO PODEROSO e tal como OBAMA liquidou BIN LADEN tb atuará sobre aqueles que fragilizaram EUA ou EEEU. A guerra comercial e defesa da EU instalar-se-á de forma brutal e fatídica para a própria EU e Inglaterra s criarem obstáculos .Aliaz OBAMA disse publicamente que EUA iriam buscar os seus inimigos estivessem onde estivessem .INIMIGOS FORAM ASSANGE E DIVULGADORES estarao ao longo dos próximos anos na mira dos EUA seja qual for a presidência e estejam onde estiverem.Aliaz EUA saíram do comité dos direitos humanos por uso hipócrita e desviante ,não reconhece TPI tal como CHiNA,Russia etc e a ONU com os seus três DDD é responsável pela degradaçao de culturas e terceira guerra mundial dispersa por vários cantos do mundo promovendo a venda de armas etc.ao longo das ultimas décadas.