"Menina a Chorar na Fronteira" vence World Press Photo 2019

12 abr, 2019 - 06:01 • Lusa com Redação

O fotógrafo John Moore diz que a "imagem tocou os corações de muitas pessoas". O português Mário Cruz ficou em terceiro lugar na categoria Ambiente do World Press Photo.
A+ / A-

A fotografia do ano do World Press Photo 2019 é da autoria do norte-americano John Moore, anunciou a organização dos prémios em Amesterdão, na Holanda.

A foto"Menina a Chorar na Fronteira" foi captada em 12 de junho de 2018, mostra uma menina hondurenha a chorar quando a mãe é revistada e detida próximo da fronteira dos Estados Unidos com o México, em McAllen, no Texas.

A imagem, que valeu ao fotógrafo norte-americano um prémio de 10 mil euros, foi capa da revista “Time” e gerou a contestação ao programa do Presidente norte-americano, Donald Trump, de separação das famílias de imigrantes.

Em declarações posteriores ao jornal britânico “Daily Mail”, o pai da menina disse que a filha não foi retirada à mãe e que ambas foram detidas juntas.

Para John Moore, a "imagem tocou os corações de muitas pessoas", como o seu, porque "humaniza uma história maior".

Segundo um dos membros do júri da competição, a fotojornalista brasileira Alice Martins, a fotografia de Moore mostra "uma violência diferente, que é psicológica".

Ao World Press Photo 2019 concorreram 78.801 trabalhos de 4.738 fotógrafos.

Português em 3.º na categoria ambiente

O fotojornalista português Mário Cruz ficou em terceiro lugar na categoria Ambiente, em imagem 'single', no World Press Photo 2019, com a fotografia de uma criança num colchão rodeado de lixo, a flutuar num rio filipino.

A imagem mostra uma criança a recolher materiais recicláveis, para obter algum tipo de rendimento que lhe permita ajudar a família, deitada num colchão rodeado de lixo, que flutua no rio Pasig, que já foi declarado biologicamente morto na década de 1990.

Para o fotojornalista, esta imagem "é um apelo que merece reação rápida".

"Nós vemos imagens de praias com lixo no areal e ficamos incomodados, mas estas pessoas em Manila [capital das Filipinas] estão rodeadas de lixo diariamente, já há muitos anos, e isto merece a nossa reação rápida", afirmou Mário Cruz em declarações à Lusa, aquando do anúncio da nomeação para o World Press Photo.

A fotografia vencedora foi captada nesse sentido: "No fundo é um apelo para que não se ignore o que não pode ser ignorado", disse.

Os habitantes daquelas comunidades tentaram, sem sucesso, ir viver para a capital das Filipinas e acabaram por criar construções ilegais junto ao rio, onde vivem, sem saneamento, e muitos deles da reciclagem do lixo que é atirado fora.

Além de Mário Cruz, outros dois fotógrafos foram premiados na categoria Ambiente em imagem 'single': o sul africano Brent Stirton (que ficou em primeiro lugar) e o norte-americano Wally Skalij (em segundo).

A fotografia premiada faz parte de um trabalho que Mário Cruz desenvolveu nas Filipnas, batizado "Living Among What's Left Behind" ("Vivendo entre o que é deixado para trás", em português), que reúne imagens que o fotojornalista captou durante um mês nas Filipinas, onde visitou comunidades que vivem ao longo do rio Pasig, testemunhando uma situação extrema de poluição ambiental que os habitantes enfrentam há décadas.

Esse trabalho deu origem a uma exposição, patente até 26 de maio no Palácio Anjos em Algés, concelho de Oeiras, onde é possível ver-se 40 imagens, das milhares captadas pelo fotógrafo nas Filipinas.

Esta é a segunda vez que Mário Cruz, de 31 anos, é premiado no World Press Photo. Em 2016, o português conquistou o primeiro lugar na categoria Temas Contemporâneos do World Press Photo, com um trabalho sobre a escravatura de crianças - dos meninos Talibés - no Senegal ("Talibés - Modern Days Slaves"), que deu origem a um livro, depois de publicado na Newsweek, e que constituiu um alerta global. No Senegal, foram distribuídos panfletos com fotografias feitas por si, tendo sido resgatadas centenas de crianças.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • me too
    12 abr, 2019 12:27
    A imagem usada pela Time acabou por a desonrar e a todo o foto-jornalismo. A Time fez uma foto-montagem ignóbil. São estes tipos de prémio — incluindo o nobel — os que estão condenados a desaparecer. A Verdade os aniquilará.