Tempo
|

Conflito Governo/professores. "Fraude", dizem PSD, CDS e BE

05 jun, 2018 - 15:16

O Governo rompeu o diálogo com os professores sobre a contabilização dos nove anos, quatro meses e dois dias para efeitos de progressão na carreira.

A+ / A-

PSD, CDS e Bloco e PS reagiram esta terça-feira ao falhanço nas negociações sobre o descongelamento das carreiras dos professores, com os partidos à direita e o Bloco de Esquerda a acusarem o executivo de estar a defraudar as expectativas dos professores e com o PS a apelar ao diálogo.

O Bloco de Esquerda classifica a decisão do executivo como "reprovável e inaceitável", defendendo que o Governo não tem razão nos argumentos que apresentou para terminar o diálogo com os sindicatos dos professores.

"O Governo não tem razão. É um braço de ferro em que o Governo não está a cumprir a resolução da Assembleia da República e a lei do Orçamento do Estado. E por causa desse braço de ferro o Governo vai dificultar a vida a centenas de milhares de professores e estudantes", defendeu Joana Mortágua, deputado do Bloco de Esquerda.

Para o PSD, a decisão do governo não só defrauda os professores, como também discrimina estes profissionais em relação à restante função pública.

Em declarações aos jornalistas, a vice-presidente do PSD Margarida Mano lembrou o compromisso entre Governo e sindicatos a 18 de novembro para a contagem do tempo de serviços dos professores, dizendo que esse acordo "foi determinante para a aprovação do Orçamento do Estado pelos partidos que apoiam o Governo”.

“Este governo, depois de criar expectativas relativamente à contagem de tempo e reposições, discrimina os professores em relação aos restantes funcionários públicos. O descongelamento das carreiras não é igual para todos. O tempo para os professores conta de forma diferente”, criticam os sociais-democratas.

Na mesma linha estão as críticas do CDS-PP, que acusaram o Governo de “conduta errática, inconsistente e desonesta” no diálogo com os professores.

“Depois ter aprovado no Orçamento do Estado uma abertura para determinar o tempo e a forma como ia ser calculado o descongelamento, depois de o PS aprovar um projeto de resolução dos Verdes a dizer que todo o tempo seria contado (…), o ministro que disse que defenderia radicalmente os professores é o mesmo ministro que retira a proposta em cima da mesa”, criticou a deputada do CDS-PP Ana Rita Bessa, em declarações aos jornalistas no parlamento.

PS apela ao diálogo

Também o PS se pronunciou sobre o anuncio feito na segunda pelo ministro da Educação, dizendo que espera que os sindicatos deem “um sinal de que não querem deixar morrer as negociações” com o Governo.

“É preciso que os sindicatos deem um sinal que não querem deixar morrer as negociações”, disse à agência Lusa Porfírio Silva, rejeitando que o Governo esteja a desrespeitar compromissos do Orçamento do Estado para contar o tempo do congelamento em futuras progressões na carreira.

O Governo, afirmou, “começou por fazer o que estava no seu programa, o descongelamento das carreiras” e os docentes “estão a sentir e vão continuar a sentir o efeito [positivo] desse descongelamento”.

O grupo parlamentar do PCP requereu para a tarde desta terça-feira o agendamento de um debate sobre a situação dos professores para 15 de junho.

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, confirmou na segunda-feira que os professores não vão ter contabilizado qualquer tempo de serviço congelado por terem falhado as negociações com os sindicatos.

A ausência de acordo “significa ficar tudo como estava”, disse o ministro da Educação aos jornalistas, no final de um dia de reuniões com os sindicatos de professores.

O ministro confirmou, assim, que os professores não vão ver contabilizados para efeitos de progressão na carreira os nove anos, quatro meses e dois dias que reclamam desde o início das negociações e que o Governo retirou de cima da mesa a proposta para contabilizar cerca de dois anos e nove meses, colocando o ónus da decisão naquilo que considerou ser uma falta de flexibilidade por parte dos sindicatos para aproximar posições.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • pois é!
    05 jun, 2018 lx 16:40
    Há 5 anos quando foram mandados sair da zona de conforto e emigrar não piavam tanto!...com os enfermeiros é a mesma coisa! Já não se lembram quem lhes cortou o tempo de serviço e agora pretendem tudo de uma assentada! Memória curta!...