Siga-nos no Whatsapp

​Pintura mural do século XVI, única em Portugal, descoberta em Picote

07 jan, 2018 - 23:44 • Olímpia Mairos

O painel de frescos com mais de quatro metros de comprimento e cinco de altura é um ciclo narrativo da vida de S. João Baptista. Único no nosso país, foi descoberto na capela de Santo Cristo, em Picote, na sequência das obras de restauro do altar-mor.

A+ / A-

Um fresco do primeiro quartel do século XVI foi descoberto na capela de Santo Cristo, em Picote no concelho de Miranda do Douro.

O painel, com mais de quatro metros de comprimento e cinco de altura, retrata episódios alusivos à figura de S. João Baptista, desde a visitação (encontro de Nossa Senhora com Santa Isabel) passando pelo baptismo de Jesus, até à decapitação do profeta.

A descoberta foi feita no âmbito de um pedido de intervenção no altar-mor do templo religioso.

“Quando chegamos à capela para o diagnóstico do retábulo, observamos que havia pintura mural por detrás, apesar de não ser muito visível”, conta à Renascença Lília Pereira da Silva, directora do Centro de Conservação e Restauro de Arte Sacra da diocese de Bragança-Miranda.

Em conjunto com a comissão fabriqueira e a comunidade “chegou-se à conclusão que só havia uma coisa lógica a fazer: a desmontagem do altar para saber qual a extensão do núcleo do mural”, prossegue a responsável.

O retábulo foi desmontado e, para surpresa dos técnicos, surgiu um grande e importante “painel decorativo do século XVI, cheio de cor, de vermelhos e ocres intensos e zonas decorativas com imitação do tecido da época, como brocados, de um lado e do outro, criando um certo ambiente de maior conforto, quase deslumbramento”, realça Joaquim Caetano, especialista em pintura mural.

António Pires, pároco de Picote e presidente da Comissão de Arte Sacra e Bens Culturais da diocese de Bragança-Miranda, mostra-se satisfeito com a “descoberta e pela intervenção bem conseguida”.

Também a vereadora da Câmara Municipal de Miranda do Douro, Anabela Torrão, diz-se “estupefacta com tamanha riqueza” e valoriza o “trabalho excepcional feito pelo Centro de Arte Sacra, pelos seus técnicos, de uma qualidade impressionante e que enriquece todo o património de Miranda do Douro”.

“Não podemos ter uma pintura com 400 anos com aspecto de ter sido feita ontem”

O conservador e historiador de arte, Joaquim Caetano, acredita tratar-se de “uma obra única, um ciclo único de João Baptista, em termos de pintura e de cenas representadas”.

Apesar de a pintura apresentar um bom estado de conservação, a intervenção, a cargo do Centro de Conservação e Restauro de Arte Sacra da diocese de Bragança-Miranda, passa por “repor as linhas de composição das molduras, dos fundos cromáticos e da cor”.

“Quanto às figuras, zonas onde não há certeza daquilo que estava lá, fica a lacuna, mas vamos tratá-las com um tom neutro, de modo a que, numa primeira leitura, não seja o elemento mais visível”, explica Joaquim Caetano.

Para o técnico, é fundamental respeitar a obra de arte, porque, diz, “as coisas têm um tempo, têm uma vida. Hoje não podemos ter uma pintura com 400 anos com aspecto de ter sido feita ontem. Isto é quase um acto de iconoclasta. É desvirtuar aquilo que é a autenticidade daquela peça”, realça.

E mais uma pedra de ara e uma estela funerária

Além da pintura mural, no templo foram descobertas “uma pedra de ara e uma estela funerária”, revela a directora do Centro de Conservação e Restauro de Arte Sacra, adiantando que este “património pode ser deslocalizado para o centro interpretativo de Picote ou ficar na capela”.

Técnicos da Direcção-Regional de Cultura do Norte já visitaram o local e tomaram contacto com as descobertas, manifestando “uma grande vontade em classificar aquele sítio como património de interesse público”, avança Lília Pereira da Silva, sublinhando que “é importante esta classificação e tem tudo para o ser”.

Luís Preto, da Comissão Fabriqueira da paróquia de Picote, considera a descoberta e a possibilidade de classificação “uma riqueza para a aldeia que é rica em património e já integra as Aldeias de Portugal”.

A capela de Santo Cristo, onde foi descoberta e está a ser conservada a pintura mural do século XVI, desempenhou o papel de igreja paroquial de Picote até à construção da actual igreja.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Adelina Moura
    24 jan, 2018 Braga 12:16
    Picote no coração. E esta descoberta é um marco importante na sua já tão rica diversidade cultural, florestal, linguística e humana.
  • 10 jan, 2018 23:00
    Mais um ponto de enteresse a vesitar, a quando da nossa próxima visita a Picote e ao nosso grande amigo Eduardo Domingues.
  • Carlos Cardoso
    09 jan, 2018 Marco de Canaveses 17:43
    É fantástico, algo de idêntico aconteceu por volta de 2012 na minha terra Vila Boa do Bispo, Marco de Canaveses, no mosteiro de Santa Maria de Vila Boa do Bispo quando na reparação dos cachetões do teto da capela mor se encontraram frescos de santos pintados por cónegos regrantes de Santo Agostinho/Franciscanos
  • Maria Clara de Abreu
    09 jan, 2018 Braga 11:06
    Magnifico.Pode-se visitar?
  • 08 jan, 2018 22:13
    Quando eu era criança, já crescida, lembro-me de ver essas imagens ao subir para o altar por trás ,pois todos os sábados iam enfeitar o altar e eu subia por aquelas escadita para ir aos pés do Santo Cristo e beijar os seus pés
  • Francisco Teixeira
    08 jan, 2018 Régua 19:12
    Tenho Orgulho em ser PICOTÊS.
  • Fernando Mascarenhas
    08 jan, 2018 Macedo 17:02
    Magnífico. Parabéns ao Centro de Conservação e Restauro e à sua Directora. Trás-os-Montes e a cultura portuguesa ficam-lhe a dever este achado, que parece ser interessantíssimo e visitarei tão breve quanto possível..
  • Eliodora Meirinhos
    08 jan, 2018 8 jan .2018 Sydney 02 Australia 12:54
    Simto me orgulhosa da minha terra Natal que è picote🤗
  • Eduardo Domingues
    08 jan, 2018 Porto 00:46
    Orgulhoso do património da minha aldeia. Picote.
  • Pedro Ribeiro
    08 jan, 2018 Braga 00:03
    Parabéns, Picote! Que o restauro e a conservação corram bem! Irei visitar a obra logo que possível.

Destaques V+