Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022

Economia

Inflação nos países da OCDE em máximos de 34 anos

03 ago, 2022 - 14:24 • Diogo Camilo

A taxa subiu em junho para os 10,3% - o valor mais alto desde 1988 e acima do que Portugal registou. Desde julho de 1975 que os preços de alimentos não subiam tanto.

A+ / A-

A taxa de inflação nos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) atingiu os 10,3% em junho, a taxa mais alta desde junho de 1988, seis décimas percentuais acima dos 9,7% registados em maio.

De acordo com os dados divulgados esta quarta-feira, a inflação continua a ter mais impacto no setor da energia, onde a taxa disparou para os 40,7% em junho, em relação aos 35,4% de maio.

A inflação no preço da comida está agora nos 13,3%, acima dos 12,6% no mês passado - não era tão alta desde julho de 1975.

Noutros setores, a taxa subiu para os 6,7% em junho, três décimas acima do mês anterior.

A nota da OCDE indica ainda que, na zona europeia, o Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) subiu cinco décimas para os 8,6%, com cerca de um terço dos países que fazem parte da organização económica a registarem uma inflação acima dos dois dígitos.

Nos G7, que junta as sete maiores economias do mundo, a inflação está agora nos 7,9%, com os maiores aumentos a serem registados em Itália e França. Entre países do G20, a inflação está já nos 9,2%.

Na passada semana, o Instituto Nacional de Estatística (INE) estimou que a inflação em Portugal no mês de julho tenha subido até aos 9,1%, em relação aos 8,7% registados em junho. Este é o valor mais alto da taxa desde novembro de 1992.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+