Fotogaleria

Retratos de um país impotente perante o fogo

16 out, 2017 - 17:37

Um bombeiro de joelhos no chão. Um popular e um balde de água rodeados de labaredas. Uma mulher foge do fogo com o cão ao colo. Pela segunda vez este ano, as chamas tiram vidas e chocam o país.
A+ / A-
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • MASQUEGRACINHA
    16 out, 2017 TERRADOMEIO 18:35
    O segundo relatório, entregue hoje, sobre os incêndios de Junho, põe em bom português a causa do incêndio de Pedrógão, que no relatório da Comissão Técnica Independente era a mesma, mas um bocado empastelada para leigo entender (descarga elétrica mediada pelas rede elétrica, ou coisa que o valha). Suspeitava-se do que fosse, cabos de alta tensão encostados às copas das árvores, o que agora é confirmado. Espera-se a todo o momento que a REN venha contrapor que não, não senhor!, as copas das árvores é que estavam encostadas aos cabos, e os proprietários das árvores é que isto e aquilo, e que eles até fizeram não sei o quê em 50 000 km de não sei o quantos... Uns heróis do trabalho voluntário. E suspeitava-se da "mediação" com base naquilo que se pode observar, in loco, por esse país fora. E suspeita-se que a tal "mediação" possa ter contribuído, até largamente, para o início de muitos dos incêndios de ontem - é que são tantos, tantos, tantos os casos de árvores que insistem em crescer... Basta ter olhos para ver. Para além disso, o que há a esperar de responsáveis políticos que, após Pedrógão!, suprimem as torres de vigilância, essa tão simples e primeiríssima linha de defesa, apesar do calor, apesar do vento? É a fase Delta, estúpido. A (sempre) lacrimejante ministra puxa dos galões de não ter tido férias, apela à resiliência e diz que a culpa é das queimadas. Vai sendo hora de darem as merecidas férias à ministra, que está visivelmente em muito más condições psicológicas.