Maquinista espanhol libertado após admitir "imprudência"

28 jul, 2013

Francisco Garzon Amo estava aos comandos do comboio que descarrilou em Santiago de Compostela: 79 pessoas morreram e 70 ficaram feridas.
Maquinista espanhol libertado após admitir "imprudência"
Maquinista espanhol libertado após admitir "imprudência"
Comboio descarrila embatendo violentamente num muro de betão perto de Santiago de Compostela. Último balanço aponta para 78 mortos e mais de 140 feridos.

O maquinista do comboio que descarrilou perto de Santiago de Compostela, na Galiza, ficou em liberdade. A polícia considera que Francisco Garzon Amo é suspeito de homicídio por negligência.

Amo foi ouvido este domingo por um juiz, durante duas horas, e admitiu ter cometido uma "imprudência". Numa comunicação com a RENFE, empresa responsável pela circulação ferroviária no país vizinho, o maquinista revelou que circulava a 190 Km/hora, numa zona limitada a 80.

O tribunal deixou-o sair em liberdade, mas impôs medidas de coacção, como a proibição de abandonar o país e a obrigatoriedade de ser apresentar todas as semanas às autoridades.

Amo, de 52 anos, estava aos comandos do comboio que, na quarta-feira à noite descarrilou perto de Santiago.

Na sequência do acidente, morreram 79 pessoas e outras 70 continuam hospitalizadas.

É o pior desastre ferroviário dos últimos 40 anos, em Espanha.