Olhanense

"Vassourada" de Paulo Alves em Olhão

27 nov, 2013

Treinador do Olhanense dispensa quatro jogadores. "Tem de haver alguns reajustes no plantel", explica Paulo Alves.
"Vassourada" de Paulo Alves em Olhão

Paulo Alves anunciou, esta quarta-feira, a dispensa de quatro jogadores do plantel do Olhanense, devido à necessidade de fazer "alguns reajustes" no grupo, que considera ser "muito extenso".

Desta forma, o treinador deu conta da saída de Tibor Cica, Pouye, Daniel Bessa e Diego Gonçalves do plantel algarvio.

"Sem pensar no mercado de janeiro, tem de haver alguns reajustes no plantel. Temos um plantel muito extenso e alguns jogadores deixarão de entrar nas contas, pelo menos para já. O Tibor Cica, o Daniel Bessa, o Diego e o Pouye já não entrarão nas contas", explicou Paulo Alves, que comanda o antepenúltimo classificado da Primeira Liga.

"Temos o plantel que temos, e temos de o valorizar e trabalhar. Não tenho por hábito desculpar-me com a qualidade das equipas. Hoje em dia, sobretudo nas equipas do meio da tabela, como o Olhanense e outras do mesmo nível, que lutam pela manutenção, obviamente ninguém pode ter grande qualidade. Nós temos a que temos. Mas não é novidade para ninguém que falta algum equilíbrio em termos de soluções para algumas posições, e também temos algumas lesões importantes, casos de Rui Duarte, Jander e Pelé, que trariam mais equilíbrio", prosseguiu.

Na sexta-feira [20h15], o Olhanense defronta o Sporting de Braga, no Minho. "Nesta altura, não há jogos decisivos", começou por projectar.

"Não foi o jogo da Académica, não será o jogo com o Sporting de Braga a decidir qual será o futuro do Olhanense na Liga. Mas temos de pensar que todos os jogos são fundamentais para conquistar pontos. [O Sporting de Braga] é um adversário muito difícil, uma equipa muito competente. Não está a fazer um grande campeonato mas vem de um grande jogo na Luz. Temos de ter atenção a isso e ter esses cuidados, porque se pensarmos que o Sporting de Braga ou o Benfica ou o FC Porto não são do nosso campeonato e fazemos para a próxima, acabamos por nunca fazer. Temos de dar tudo, concentrar-nos e dar toda a importância seja a que for", analisou.