Vitória de Setúbal

Tenham cuidado, ele é perigoso. Ele é o Ramón Cardozo

17 set, 2013 • José Pedro Pinto

Muitos comparam-no a Óscar "Tacuara" Cardozo, pelos pontos de contacto que unem os dois paraguaios. Mas este Cardozo quer ser, simplesmente, Ramón. Bola Branca apresenta a história do "Tacuarita", nova figura do Vitória de Setúbal.
Tenham cuidado, ele é perigoso. Ele é o Ramón Cardozo
Tenham cuidado, ele é perigoso. Ele é o Ramón Cardozo
As comparações com o “Tacuara” são inevitáveis. A começar pela alcunha. “Tacuarita” não se sente pressionado com a comparação, mas pretende evoluir para lá da sombra de Óscar Cardozo.

Não é fácil crescer, enquanto jogador, na sombra de um grande goleador, mas Ramón Cardozo vive essa experiência, em Portugal.

É paraguaio, tem 27 anos, reforçou o Vitória de Setúbal, esta época, e chegou com uma alcunha pesada: "Tacuarita". Já se percebeu que é encarado como o novo Cardozo, eventual sucessor de Óscar, o avançado que tem uma fixação especial pelo golo. E tudo porque apresenta o mesmo estilo de jogo do "Tacuara" e tem apenas menos três centímetros do que o compatriota que alinha no Benfica.

"O Óscar [Cardozo] já tem um nome estabelecido em Portugal. Estou a procurar o meu próprio lugar e espaço aqui em Portugal e espero ter o mesmo sucesso. Quero ser o Ramón, enquanto o Óscar é o Óscar", atira, em entrevista a Bola Branca.

Determinado em conquistar um posto de destaque no mundo do futebol, a realidade é que, mesmo separando as águas quanto às semelhanças com o "Tacuara", Ramón não se mostra pressionado com a expectativa que recai sobre os seus ombros.

"Creio que não há nenhuma pressão para mim. É muito bom [ser comparado com Óscar Cardozo], pelo facto do Óscar Cardozo estar a trabalhar bem aqui em Portugal e quero ganhar o meu nome e espaço no Vitória de Setúbal", frisa.

A audácia de uma meta invulgar
Não tem medo de arriscar. Ramón Cardozo recusou alinhar num dos principais emblemas da Roménia para provar, em Portugal, que tem capacidade para outros voos na carreira.

Além disso, tem o objectivo pessoal de apontar 20 golos durante esta temporada, ao serviço dos sadinos. Já leva dois e conta com o auxílio de uma equipa que aparenta jogar declaradamente para o servir.

"Temos um excelente grupo com o qual podemos alcançar grandes feitos. Vamos trabalhar com muita humildade e apontar cada vez mais alto. Meta de 20 golos? Tenho colegas de equipa muito capacitados a ajudar-me a marcar e só quero trabalhar com muita humildade e muito sacrifício para chegar a esse objectivo", salienta.

Quanto ao futuro, é preciso esperar com serenidade. Até porque o presente pinta-se de verde e branco e é preciso ajudar o Vitória a manter-se na Primeira Liga.

"O passar do tempo e o decorrer dos jogos dirão se poderei dar o salto para outra equipa, mas de momento só penso no Vitória de Setúbal e estou muito satisfeito por estar aqui", completa o dianteiro emprestado pelo Nacional do Paraguai aos setubalenses.

Ramón Cardozo, de 27 anos, tem a segunda experiência no futebol português, depois de uma efémera passagem pelo Penafiel, em 2006/07. O avançado disputou seis partidas e não marcou qualquer golo. Sempre ligado ao Tacuary, foi emprestado ao Cerro Porteño, também do Paraguai, e ao León de Hanuco, do Perú. A época passada transferiu-se para o Club Nacional, de Assunção. Está emprestado ao Vitória de Setúbal.