Tempo
|
A+ / A-

Televisão estatal chinesa termina boicote de 18 meses à NBA

30 mar, 2022 - 12:13 • Redação

Mercado chinês é o que mais dinheiro dá à NBA em transmissões televisas.

A+ / A-

Televisão estatal chinesa transmitiu, pela primeira vez desde 2020, um encontro da NBA.

A CCTV (China Central Television) voltou a emitir um jogo, desde que, em 2019, Daryl Morey, na altura "General Manager" dos Houston Rockets, publicou um "tweet" a criticar o governo chinês e a defender os protestos pró-democracia em Hong Kong.

Depois dessa manifestação, a resposta chinesa não se fez tardar. A CCTV anunciou, de imediato, que não transmitiria o ínicio da temporada. O boicote durou até 2020, quando a liga regressou temporariamente.

A publicação de Morey geraria uma reação em cadeia ao sucedido. A NBA perdeu milhões em direitos televisivos, uma vez que a China é o maior mercado estrangeiro do basquetebol americano.

LeBron James, na altura, também se manifestou, criticando o agora funcionário dos Philadelphia 76ers. Em Hong Kong, esta mensagem não foi bem recebida e milhares saíram à rua para protestar com o craque dos Los Angeles Lakers.

O boicote também teve muito impacto nos próprios Rockets, que têm muitos adeptos chineses, já que um dos maiores símbolos do basquetebol chinês, Yao Ming, fez a sua carreira, na NBA, no clube texano.

O jogo escolhido para esta transmissão foi o encontro que opôs os Los Angeles Clippers aos Utah Jazz, duelo marcado pelo regresso de Paul George à competição.

Apesar da CCTV não se ter pronunciado sobre os motivos deste regresso, a imprensa americana diz que este jogo foi o escolhido, porque o treinador dos Clipper, Tyronn Lue, recentemente, criticou Daryl Morey ao dizer: "A última vez que publicou um tweet ele custou mil milhões de dólares à NBA, por isso ele não devia publicar nada."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+