Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Opinião de José Manuel Constantino

Um novo tempo

31 dez, 2021 - 13:24 • José Manuel Constantino*

​É tempo de acreditar mais no desporto. De investir para sermos um país que tenha uma população física e desportivamente mais ativa. Para termos um desporto com maior capacidade competitiva externa.

A+ / A-

Um novo tempo: com números, tabelas, gráficos, picos e planaltos tudo coisas que provam, de ciência certa, o que se está a passar. Com máscaras e sem máscaras. E sempre com o distanciamento que, sendo físico, é também social. No centro de tudo o vírus que baralhou as nossas vidas e desafiou a ciência. E esta respondeu célere anunciando o que todos ansiávamos: a vacina.

Só que o vírus não seu deu por vencido e ressuscitou sobre novas roupagens. Antes tinha conseguido adiar os Jogos Olímpicos. Mas não conseguiu impedir a sua realização um ano depois. Com todas as cautelas. Com testes e mais testes.

As circunstâncias tão especiais que envolveram os Jogos Olímpicos de Tóquio, o quadro de constrangimentos e limitações em que foram realizados constituíram um desafio à capacidade humana para garantir uma competição global e simultaneamente níveis de segurança sanitária perante o quadro pandémico que vivemos.

E conseguiu-se. Mais. Acrescentou-se um sinal de que, apesar da severidade dos momentos que vivemos, havia lugar a um tempo melhor, de comunhão, de partilha e de solidariedade. Não me ocorre um outro acontecimento com esta força e esta capacidade que o desporto, para nos restituir a alegria e a esperança.

O fascínio dos Jogos Olímpicos permaneceu. Mesmo sem público. E foi essa força atrativa que mobilizou por esse mundo fora um número incalculável de espetadores no acompanhamento das competições. Portugal não foi exceção. E saiu orgulhoso pelos resultados desportivos alcançados. Os melhores de sempre.

Só podemos estar agradecidos e reconhecidos. A atletas, treinadores, clubes e federações desportivas

O que conseguimos cria a todos responsabilidades acrescidas sobre o futuro. O sinal é de esperança. Para os atores desportivos, mas também para os responsáveis governamentais.

É tempo de acreditar mais no desporto. De investir para sermos um país que tenha uma população física e desportivamente mais ativa. Para termos um desporto com maior capacidade competitiva externa.

É tempo de travar o ostensivo desinvestimento no setor desportivo, agudizando o défice de competitividade e o potencial de criação de valor que se repercute em todo o movimento associativo, desde logo naqueles que têm competências públicas delegadas pelo Estado – as federações desportivas - mas também, e muito especialmente, nos clubes desportivos, unidades fundamentais no desenvolvimento desportivo do País.

Que este seja um tempo de esperança.

Que vencida a situação pandémica possamos dar ao país desportivo os meios e as condições para o tornar mais competitivo e mais forte.


*José Manuel Constantino, presidente do Comité Olímpico de Portugal


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+