Tempo
|
A+ / A-

Hóquei em patins

Nove anos depois, capitão João Rodrigues quer vingar Europeu perdido em Paredes

12 nov, 2021 - 10:10 • Eduardo Soares da Silva

Avançado de 31 anos esteve na final perdida em 2012 para a Espanha nos últimos segundos. João Rodrigues escolhe quatro favoritos e diz que há pouca margem para erros.

A+ / A-

João Rodrigues, capitão da seleção nacional de hóquei em patins, quer vencer o Campeonato da Europa em Paredes, nove anos depois de ter perdido a prova nos segundos finais, em Lordelo, cidade que pertence ao mesmo concelho.

O jogador do Barcelona começou esse jogo no banco e é agora uma das figuras da seleção. João Rodrigues recorda a final de 2012, perdida nos últimos segundos, como um dos momentos mais duros da carreira e quer recompensar os adeptos de Paredes.

"Na altura foi muito duro, eu vivi esse momento. Foi um dos momentos mais duros das nossas carreiras, perdemos o Europeu a seis segundos do fim. Fez-nos crescer. Ajudou-nos a construir este percurso que temos feito. É uma oportunidade de, passados tantos anos, dar um título a estas pessoas que vieram ver", disse.

Desde então, Portugal conquistou um Europeu, em 2016, e um Mundial, em 2019. O avançado de 31 anos esquece o palmarés para se focar numa nova competição.

"O palmarés não joga na segunda-feira, fica para trás. É um grupo que foi campeão do mundo, mas a partir do dia 15 não entra na pista. É uma nova competição, nova oportunidade de fazer história. Vai ser difícil, vamos dar tudo para chegar à final e vencer", atira.

Formado no Paço de Arcos, João Rodrigues conta ainda com passagens pelo Benfica e Barcelona, onde joga dese 2018 com o compatriota Hélder Nunes, também nos convocados para o Europeu.

Sem margem de erro

João Rodrigues acredita que há quatro candidatos ao título, num grupo com seis seleções a disputar. Nesse sentido, o capitão diz que um jogo mau pode colocar em causa a presença na final

"Há quatro candidatos. A maioria estranha esta opção, mas digo Portugal, Espanha, Itália e França. Incluo a França e Itália porque ultimamente têm apresentado seleções muito fortes e têm dado muito trabalho. Tivemos perto de perder com a França e Itália nas últimas competições. Por isso não há grande margem, jogamos contra todos e um jogo mau pode por tudo em causa. Temos de estar muito fortes", atira.

O capitão recusa o rótulo único de favorito para a seleção das "quinas": "Portugal não é o favorito, mas é um dos, tal como em todas as provas que Portugal joga. É algo positivo, mostra o bom que é o hóquei em Portugal. No dia em que se perder, é mau para a modalidade. O favoritismo não ganha jogos, é preciso prová-lo na pista".

Portugal arranca a participação no Europeu, disputado no Multiusos de Paredes, na próxima segunda-feira, frente à Alemanha. Em 107 internacionalizações, João Rodrigues marcou 158 golos pela seleção principal de Portugal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+