Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Futebol feminino

Ex-internacional portuguesa vai denunciar outros casos de assédio

30 set, 2022 - 10:42 • Eduardo Soares da Silva

Tita, de 33 anos, diz ter sido vítima de assédio por outro treinador e apela a que todas as vítimas denunciem: "Não se pronunciar sobre o assunto é também compactuar".

A+ / A-

Ana Lopes, antiga internacional portuguesa, revela que foi vítima de assédio sexual durante a carreira e promete fazer denúncias.

A antiga internacional de 33 anos, que já anunciou o fim da carreira, também conhecida como Tita, comentou as acusações de assédio sexual contra Miguel Afonso, treinador da equipa feminina do Famalicão, por parte de jogadoras que orientou no Rio Ave.

Nas redes sociais, a ex-atleta assume "publicamente que também eu já fui vítima de assédio sexual enquanto jogava futebol (não pelo Miguel, há outros) e que até hoje não tomei as medidas necessárias por falta de provas, sob pena de ser julgada por difamação, mas ainda assim, agora mesmo farei uma denúncia".

Tita chegou ainda a fazer parte de uma lista candidata à direção do Sindicato dos Jogadores no ano passado, liderada por Ibraim Cassamá.

Carla Ferreira, da Associação de Apoio à Vítima (APAV), afirmou a Bola Branca na quinta-feira que o caso de Miguel Afonso pode ser o "clique necessário" para outras denúncias.

O treinador da equipa feminina do Famalicão, Miguel Afonso, foi acusado de assédio de sexual por algumas jogadoras do Rio Ave, equipa que treinou na época 2020/21.

O técnico, que treina agora a equipa feminina do Famalicão, terá trocado algumas mensagens íntimas com jogadoras com idade entre os 18 e os 20 anos, solicitando fotos e vídeos, segundo avança o "Público". Contatado pelo jornal, Miguel Afonso, de 40 anos, recusou-se a comentar, dizendo apenas: "Não sei onde querem chegar com isso e que tipo de conversas são essas."

Miguel Afonso começou a carreira de treinador no Bonitos de Amorim, em 2019/20, e rumou ao Rio Ave na época seguinte. Na temporada passada, orientou a Ovarense. Esta época, assumiu o comando do Famalicão.

Desde julho que os regulamentos da FPF preveem punições para os casos de assédio. Este é o primeiro caso do género a ser conhecido no país.

Silêncio de atuais jogadoras questionado

Tita pede para que outras vítimas de assédio também se cheguem à frente e denunciem os agressores: "Ficar calada ao ter conhecimento de causa de colegas que passam por estas situações é compactuar com quem exerce assédio".

"Não se pronunciar sobre o assunto, sabendo e tendo conhecimento real de provas, é também compactuar e dar asas a que histórias assim se repitam. Gosto de entender pessoas, gosto da parte do desenvolvimento pessoal, mas isto é algo que ainda hoje não consigo compreender. Há certamente necessidades inerentes de quem o faz e até de que responde, claro, mas há limites", prossegue.

A antiga internacional espera que as "meninas/mulheres que têm o prazer de jogar futebol, possam vivê-lo sem opressão, manipulação, violência, invasão. O futebol deve ser o palco dos sonhos e não o inverso", termina.

A ex-jogadora lamenta ainda o silêncio das atuais jogadores: "Para as jogadoras publicamente conhecidas em grandes clubes que até hoje ainda não se pronunciaram: alguém que está num clube e acredita que isto é defender a imagem está paradoxalmente a destruir a própria".

Tita, de 33 anos, terminou a carreira no fim da época passada. Passou pelo Torreense, Condeixa, Benfica, União Ferreirense, Cadima, Ansião e Atlético Ouriense. Foi campeã nacional em duas ocasiões e somou 9 internacionalizações pela seleção principal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Se a moda pega
    30 set, 2022 País 10:57
    Ah, então não tem provas, é só a palavra dela contra o acusado. Eu sugeria-lhe que arranjasse provas reais ou fechasse a matraca, mas agora que deu com a língua nos dentes, é prosseguir, rumo a uma acusação de Difamação. Aliás, todas as acusações de assédio que não forem provadas, devem acabar em Tribunal em casos de Difamação. Quem tem casos reais fundamentados de assédio, que avance. As que andam em busca de ajustes de contas, ou de indemnizações pelo silêncio, devem pagar caro por isso.

Destaques V+