Tempo
|
A+ / A-

Joaquim Evangelista

Deferimento de pagamento de salários é "passo atrás" para o futebol português

23 jun, 2022 - 16:30 • João Paulo Ribeiro

Joaquim Evangelista, presidente do Sindicato dos Jogadores, responde ao Varzim acerca do diferendo com o Leixões.

A+ / A-

O presidente do Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol, Joaquim Evangelista, considera que a Liga Portugal deu um passo atrás ao permitir o deferimento do pagamento dos salários aos atletas.

Em declarações a Bola Branca, Joaquim Evangelista congratula-se com as melhorias registadas na questão dos ordenados em atraso no futebol profissional - todos os clubes cumpriram os pressupostos da Liga, garantindo a presença nas competições da nova época -, mas avisa que ainda há uma questão a rever.

"O paradigma do incumprimento mudou e estamos satisfeitos por isso, mas também se deu um passo atrás, já que os regulamentos da Liga voltaram a permitir o deferimento do pagamento dos salários aos jogadores. Isso coloca em desigualdade os competidores. Há clubes que pagam religiosamente no final do mês, enquanto que outros que não o fazem, pedindo aos jogadores que assinem documentos a dizer que receberão no mês ou meses seguintes. Não é aceitável e estamos a discutir isso com a Liga", aponta.

Varzim tenta manter-se na secretaria


Sobre as queixas do Varzim sobre alegadas irregularidades do Leixões - que garantiu a manutenção na II Liga, ao contrário dos poveiros -, Joaquim Evangelista garante que, ao Sindicato dos Jogadores, não chegou qualquer queixa de ordenados em atraso e lamenta que haja, a seu ver, clubes "que só decidem intervir quando têm interesse próprio nas situações".

"É o caso dos que querem ganhar na secretaria aquilo que não conseguiram em campo. É claro que é legítimo o Varzim denunciar a situação, se considerar que um dos seus concorrentes não cumpriu formalmente com as suas obrigações e está em incumprimento. Acontece que não tivemos nenhuma queixa", frisa.

Evangelista pede que "não tentem instrumentalizar o Sindicato".

"Agimos de modo próprio ou por denúncia dos jogadores. Sempre que há conhecimento de alguma situação, nós damos conhecimento às autoridades e, mais do que isso, eu próprio assumo a responsabilidade de denúncia pública dessas práticas. Mas, neste caso, não houve nenhuma denúncia nem caso de incumprimento", remata.

Estágio para futebolistas sem clube


O Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol apresenta, esta quinta-feira, mais uma edição do estágio destinada a futebolistas sem clube, com o objetivo de preparar o regresso à competição.

Nesta entrevista à Renascença, Joaquim Evangelista destaca uma iniciativa que vai já na 20.ª edição.

"É uma iniciativa de enorme dimensão social e já uma prática reiterada no futebol português. Os objetivos são os de criar condições de treino aos atletas visando o alto rendimento, garantir a vertente formativa com cursos ministrados aos jogadores para se qualificarem e, nessa via, prepararem o pós carreira. E, essencialmente, potenciar a empregabilidade", refere.

Este estágio tem início marcado para o próximo dia 4 de julho. Nandinho, comentador Bola Branca, será o treinador desta edição.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+