Tempo
|
A+ / A-

Martha Gens

Associação da Defesa dos Adeptos diz que público na Supertaça não pode ser medida "filha única"

28 jul, 2021 - 18:15 • João Paulo Ribeiro

Martha Gens, a presidente da Associação de Defesa do Adepto, aguarda que as medidas do governo se estendam aos campeonatos profissionais.

A+ / A-

Martha Gens, a presidente da Associação Portuguesa de Defesa do Adepto, espera que o regresso do público aos estádios na Supertaça não seja uma medida "filha única" e seja também aplicada aos campeonatos profissionais.

"Se a medida não for abrangente, não faz sentido. Somos praticamente o único país onde isso acontece nas ligas profissionais. Existem outros eventos culturais a acontecerem onde não são exigidas nem metade das medidas restritivas aplicáveis à Supertaça. Tivemos um Europeu disputado em vários países com estádios cheios de adeptos. Se a medida não se estender à I e II Ligas, será uma teimosia que persiste e ninguém entende o motivo", diz, em Bola Branca.

O jogo entre Sporting e Braga, no próximo sábado, terá mais de 10 mil espectadores nas bancadas no Estádio Municipal de Aveiro, o correspondente a 33% da lotação do recinto, segundo foi anunciado na última terça-feira.

Martha Gens saúda o regresso dos adeptos, que já aconteceu na Taça da Liga, nos jogos Marítimo-Boavista e Nacional-Estoril.

"Passou muito tempo mas claro que a APDA vê com agrado o regresso dos adeptos aos recintos desportivos. Agora resta saber em que tipo de competições isto vai acontecer. Era bom que não fosse uma medida "filha única". Há, no entanto, uma situação que nos preocupa. É que a abertura dos estádios aos adeptos vai trazer a aplicabilidade prática do cartão do adepto e é uma questão que nos deixa muito apreensivos", refere.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+