Tempo
|
A+ / A-

VAR Bola Branca

Nota 2 para Hugo Miguel. "Ficou por assinalar penálti para o Farense"

17 abr, 2021 - 00:08 • Redação

Paulo Pereira critica atuação do VAR num lance entre Coates e Abner, ainda com 0-0 no marcador, e revela estranheza com os três minutos de compensação dados por Hugo Miguel.

A+ / A-

Paulo Pereira, videoárbitro Bola Branca, atribuiu nota 2 a Hugo Miguel, juiz principal do Farense 0-1 Sporting, da jornada 27 da I Liga.

O especialista em arbitragem considera que ficou por assinalar uma grande penalidade a favor do Farense, por falta de Coates sobre Abner, aos 20 minutos, com 0-0: "É sem dúvida um lance que marca o jogo."

"Coates, vendo que não vai jogar a bola, tenta encolher-se e não consegue e acaba por empurrar o Abner. Hugo Miguel diz aos jogadores do Farense que o Coates se encolheu. Ele encolheu-se para evitar o contacto, mas não conseguiu evitá-lo. Todos os motivos para assinalar penálti", defende.

Tempo de descontos causa estranheza


Ainda na primeira parte, Paulo Pereira comprova a legalidade do golo do Sporting, apontado por Pedro Gonçalves, e concorda que Nuno Mendes não cometeu penálti sobre Tomás Tavares aos 43 minutos.

"A queda de Tomás Tavares parece-me uma cena de teatro. O próprio Tomás Tavares assume isso de forma rápido e levanta-se logo. Sente o sopro de Nuno Mendes e deixa-se cair", argumenta o ex-árbitro.

Paulo Pereira também considera que o golo de Mansilla, aos 80 minutos, foi bem anulado, por fora de jogo de 81 centímetros.

O tempo de descontos merece críticas do VAR Bola Branca: "Estranho claramente o tempo de compensação dado por Hugo Miguel. Tivemos quatro momentos de substituição, amarelo a Adán por queimar tempo e dois lances analisados pelo VAR. Três minutos são manifestamente pouco. Devia dar nunca menos do que quatro, cinco minutos."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+