Tempo
|
A+ / A-

Objetos com arco-íris passam a ser permitidos no Mundial do Qatar

30 nov, 2022 - 15:07 • Redação

Vários protestos e manifestações pela diversidade e inclusão foram travados pela FIFA e Qatar, que agora volta atrás.

A+ / A-

A FIFA anunciou que passam a ser permitidos objetos com as cores do arco-íris no Mundial do Qatar, associadas ao movimento LGBTQ+, depois de vários protestos terem sido parados pelas autoridades do país.

"A FIFA está ciente dos incidentes em que vários objetos não foram permitidos no estádio. A FIFA recebeu confirmação das autoridades que os organizadores dos jogos já foram contactados em relação às regras do torneio", lê-se no comunicado enviado à Associated Press.

Várias bandeiras e cartazes foram ontem barrados à entrada do estádio para o jogo entre Estados Unidos e Irão.

Sete federações tinham a intenção de fazer com os seus capitães entrassem em campo com a braçadeira "OneLove", numa demonstração de defesa da diversidade e da inclusão. A FIFA proibiu o uso da braçadeira arco-íris e avisou que o seu uso seria punido com cartão amarelo e possíveis suspensões.

Apesar das tentativas das autoridades do Qatar, continuaram a existir algumas manifestações pelos direitos LGBTQ+ durante os jogos. Um adepto invadiu o relvado no jogo entre Portugal e Uruguai, agitando uma bandeira com as cores do arco-íris, e uma "t-shirt" com a inscrição "Respect for iranian woman [respeito para as mulheres iranianas]" na parte de trás e "Save Ukraine [salvem a Ucrânia] na parte da frente.

Milhares de adeptos do País de Gales entraram no estádio com chapéu arco-íris, numa iniciativa de um grupo de adeptos membros da comunidade LGBQT+, em parceria com a Federação de Futebol de Gales (FFG) e que é um símbolo da defesa dos direitos daquela comunidade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+