Tempo
|
A+ / A-

Mundial 2022

Carlos Queiroz deixa a seleção do Irão

30 nov, 2022 - 15:29 • Lusa

Português termina a sua segunda passagem pela seleção iraniana, depois de ter estado entre 2011 e 2019.

A+ / A-

O português Carloz Queiroz despediu-se quarta-feira do cargo de selecionador de futebol do Irão, depois do afastamento do Mundial 2022, garantindo que sai "orgulhoso dos jogadores" que "foram brilhantes dentro e fora de campo".

"No futebol não existem vitórias morais, mas também não é imoral conseguir realizar sonhos, desde que se tenha dado o melhor com vontade e uma mentalidade vencedora", escreveu Carlos Queiroz, na sua conta na rede social Instagram.

O treinador português garante estar "orgulhoso" com os jogadores "que foram brilhantes dentro e fora de campo", e acrescenta: "Foi uma honra e um privilégio fazer parte desta família do futebol que, acredito, merece total respeito e credibilidade do seu país e dos adeptos".

A terminar, Queiroz, que já tinha orientado o Irão entre 2011 e 2019, termina a mensagem desejando a todos "felicidade, paz, sucesso e saúde".

Na terça-feira, a seleção do Irão foi eliminada do Mundial2022 de futebol, depois de hoje perder com o Estados Unidos, por 1-0, em partida da terceira jornada do Grupo B da competição.

O Irão, que foi goleado pela Inglaterra por 6-2 e se impôs ao País de Gales por 2-0, terminou o grupo B na terceira posição, apenas à frente dos galeses.

Carlos Queiroz, de 69 anos, assumiu em setembro passado o cargo de selecionador do Irão, para orientar a equipa asiática na fase final do Mundial2022 do Qatar, sucedendo ao croata Dragan Skocic.

No Qatar, Queiroz, que foi uma promessa eleitoral de Mehdi Taj, o novo presidente da Federação Iraniana de Futebol, orientou pela terceira vez a seleção do país em fases finais de Mundiais, depois de já o ter feito na Rússia, em 2014, e no Brasil, em 2010.

No Qatar, a seleção orientada por Carlos Queiroz protagonizou algumas polémicas, nomeadamente no primeiro jogo, antes do qual os futebolistas iranianos não cantaram o hino, como uma forma de apoio às vítimas das manifestações contra o governo daquele país.

Após o jogo com o País de Gales, a Federação de Futebol do Irão queixou-se à FIFA das declarações do antigo futebolista alemão Juergen Klinsmann, considerando que as mesmas são lesivas contra o país e pediu a sua demissão do grupo de estudos técnicos.

"Disse que no jogo Irão-País de Gales, os jogadores 'trabalharam' o árbitro. Que isso não foi uma casualidade e que faz parte da cultura, da sua forma de jogar", refere o Irão, justificando que Klinsmann quis dizer que os jogadores pressionaram o árbitro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+