Tempo
|
A+ / A-

Fotogaleria do quarto dia do Mundial. O gesto, a surpresa, a goleada e o soporífero

23 nov, 2022 - 23:12 • Carlos Calaveiras

Esta quarta-feira realizaram-se quatro partidas do Mundial do Qatar e houve de (quase) tudo. Recorde aqui os melhores momentos.

A+ / A-

Mais um dia de quatro jogos no Mundial do Qatar. Destaque para a surpresa que foi a derrota da Alemanha contra o Japão e para a goleada da Espanha à Costa Rica, numa partida em que foram batidos vários recordes.

No entanto, para além do que aconteceu dentro de campo, o jogo fica marcado pela "resposta" dos germânicos à proibição de usar a braçadeira arco-íris. Os onze taparam a boca na altura da foto oficial, tudo em defesa dos direitos humanos no país que recebe o evento futebolístico.

Na bancada, a Nancy Faeser, ministro alemã do Interior, também fez protesto simbólico.

Takuma Asano fez história ao marcar o segundo golo da reviravolta contra uma seleção germânica incrédula.

Já a Espanha "esmagou" a Costa Rica, por 7-0, e mais poderiam ter sido. "Nuestros hermanos" bateram vários recordes: o máximo do país numa fase final de Mundial, mas também o jogo com mais posse de bola (81.8%) e mais passes feitos numa só partida (998 passes em 1060 tentados, em 90 minutos). Os costa-riquenhos nem um remate conseguiram fazer á baliza adversária. Nota ainda para Gavi, o mais jovem a marcar desde Pelé.

Estes dois jogos foram muito animados. Exatamente ao contrário do que ocorreu no Croácia - Marrocos. Terminou 0-0 e dificilmente poderia ter sido diferente, tal a falta de ações ofensivas. O medo de perder foi muito superior à vontade de ganhar. E, provavelmente, até deu sono a alguns espectadores.

No Canadá - Bélgica ficou provada mais uma máxima do futebol. "Ganha quem marca". Os canadianos, com Steven Vitória e Eustáquio foram superiores, criaram mais, mas não conseguiram marcar. Aliás, o Canadá continua sem marcar em fases finais de Mundiais. Já os belgas, de serviços mínimos, lá marcaram por Batshuay, atleta de JJ na Turquia, mesmo com Lukaku na bancada.

Decisivo foi aquele que, para muitos, é o melhor do mundo na posição: Thibaut Courtois defendeu uma grande penalidade apontada por Alphonso Davies quando ainda estava 0-0 e o Canadá pressionava.

O VAR foi chamado várias vezes nas quatro partidas do dia e há um lance com Vertonghen que continua a levantar polémica. Poderia ter sido novo penálti para o Canadá, mas os árbitros mandaram seguir, apesar da vídeoarbitragem.

Portugal, na véspera de se estrear no Qatar contra o Gana, treinou na máxima força.

Fotos: EPA e Reuters.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+