Tempo
|
A+ / A-

Portugal autoriza venda do Chelsea e verba tem fins humanitários

26 mai, 2022 - 07:36 • Olímpia Mairos

O clube inglês vai ser vendido por 4,9 milhões de euros. O Chelsea, que ficou em terceiro lugar na última edição da Premier League, tem atuado com limitações devido às sanções impostas a Abramovich.

A+ / A-

Portugal deu autorização, na noite desta quarta-feira, à venda do Chelsea Football Club.

“As duas Autoridades Nacionais Competentes - Ministério dos Negócios Estrangeiros e Ministério das Finanças - deram luz verde ao pedido recebido da parte de Roman Abramovich para uma derrogação humanitária, permitindo que o clube inglês seja transacionado”, pode ler-se no comunicado enviado às redações.

A autorização decorre da garantia dada pelas autoridades britânicas de que “as receitas da venda serão utilizadas para fins humanitários, não beneficiando direta ou indiretamente o proprietário do clube, que consta da lista de sanções da União Europeia”, acrescenta o documento.

A posição nacional conta com a concordância da Comissão Europeia.

O pedido de autorização para a venda do clube de futebol inglês Chelsea foi feito pelo russo Roman Abramovich e chegou a Portugal na terça-feira.

Na quarta-feira o Governo britânico aprovou a venda a um consórcio liderado pelo bilionário norte-americano Todd Boehly do clube inglês de futebol Chelsea.

O Chelsea, que ficou em terceiro lugar na última edição da Premier League, tem atuado com limitações devido às sanções impostas a Abramovich.

O clube tem vindo a operar com uma autorização especial que expira a 31 de maio e que lhe permite realizar determinadas operações, como receber dinheiro por direitos televisivos e vender ingressos para determinadas partidas.

No dia 7 de maio, foi anunciado que o grupo liderado por Boehly iria adquirir o Chelsea por 4,25 mil milhões de libras (4,9 mil milhões de euros). A aquisição foi aprovada pela Liga inglesa de futebol na passada terça-feira.

Uma vez que Roman Abramovich detém um passaporte português, as autoridades portuguesas também tiveram de autorizar o negócio.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anonimo
    26 mai, 2022 Portugal 11:58
    Quando a realidade se torna tão surreal assim... ...

Destaques V+