Tempo
|
A+ / A-

Londres aprova venda do Chelsea ao consórcio do bilionário Todd Boehly

25 mai, 2022 - 08:40 • Redação com Lusa

O russo Roman Abramovich é alvo de sanções ligadas à invasão da Ucrânia.

A+ / A-

O Governo britânico deu “luz verde” à venda do clube inglês de futebol Chelsea, propriedade do russo Roman Abramovich, a um consórcio liderado pelo bilionário norte-americano Todd Boehly.

Abramovich é alvo de sanções ligadas à invasão da Ucrânia.

"O Governo emitiu uma licença que permite a venda do Chelsea", anunciou esta a ministra da Cultura, Média e Desporto britânica no Twitter.

"Dadas as sanções que aplicamos a quem esteja ligado a [presidente russo, Vladimir] Putin e à sangrenta invasão da Ucrânia, o futuro a longo prazo do clube só pode ser garantido com um novo proprietário", acrescentou Nadine Dorries.
"Estamos seguros de que o resultado da venda não beneficiará Roman Abramovich ou outros indivíduos sancionados."

A ministra agradeceu "a todos, especialmente aos dirigentes que trabalharam incansavelmente para manter o clube a jogar e viabilizar essa venda, protegendo os adeptos e a comunidade futebolística em geral".

O ministro dos Negócios Estrangeiros português já tinha confirmado contactos com o Governo britânico sobre a venda do clube.

"Em relação ao Chelsea, naturalmente que há aqui um ponto absolutamente fundamental: Portugal aplica as sanções que foram decretadas pela União Europeia. Nós fazemo-lo de forma rigorosa, fazemo-lo sem exceções, e é assim que nós aplicamos as sanções, é assim que nós vamos continuar a aplicar as sanções", afirmou João Gomes Cravinho questionado pelos jornalistas à margem da visita à ilha de Santo Antão, Cabo Verde.

Uma vez que Roman Abramovich detém um passaporte português, as autoridades portuguesas terão também de autorizar o negócio, noticiou a emissora britânica BBC.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+