Tempo
|
A+ / A-

Conselho de Disciplina denuncia 13 prescrições de processos a encargo da Liga de Clubes

09 ago, 2022 - 19:33 • Redação

Segundo "A Bola", as águias ficam ilibadas de todos os castigos de jogos à porta fechada por apoio ilegal a claques.

A+ / A-

O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol denuncia, em comunicado, que 13 processos disciplinares prescreveram por demora da Comissão de Instrutores da Liga de Clubes.

Segundo "A Bola", as águias ficam ilibadas de todos os castigos de jogos à porta fechada por apoio ilegal a claques na época 2019/2020.

Em comunicado, o Conselho de Disciplina explica que "a 2 de setembro de 2020 e a 24 de novembro de 2021, o Conselho de Disciplina solicitou, por escrito, informação à Comissão de Instrutores sobre a existência de processos em risco de prescrição, tendo em vista a eventual necessidade de declarar urgentes os processos relativamente aos quais tal risco existisse".

O CD garante que a Comissão de Instrutores respondeu "a 9 de setembro 2020, por escrito, da 'inexistência de processos em risco de prescrição'. Em resposta ao segundo pedido de informação do Conselho de Disciplina, a Comissão de Instrutores informou, a 2 de dezembro de 2021, que 'detetando-se risco de prescrição de qualquer processo de inquérito e sendo caso disso, será o mesmo declarado urgente'".

"Apesar destas informações transmitidas pela Comissão de Instrutores a instância do Conselho de Disciplina, a Comissão de Instrutores não promoveu a declaração de urgência em 13 (treze) processos, relativamente aos quais foi declarada, até este momento, a prescrição durante a fase de instrução que é regulamentarmente da competência da Comissão de Instrutores", conclui o comunicado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+