Tempo
|
A+ / A-

Luís Filipe Vieira: "Não tenho 160 milhões para pagar a dívida"

20 ago, 2021 - 10:16 • Redação

O antigo presidente do Benfica diz, ao "Correio da Manhã", que "está tudo tratado para entregas as ações" da Promovalor ao Novo Banco, como forma de pagamento.

A+ / A-

Luís Filipe Vieira assume, numa declaração publicada pelo jornal "Correio da Manhã", que não tem dinheiro para pagar a dívida de 160 milhões de euros ao Novo Banco. O antigo presidente do Benfica tem duas semanas para efetuar o pagamento, como "estava tratado", e revela que vai entregar, como contrapartida, as ações da Promovalor.

"Não tenho 160 milhões para pagar a dívida. Já está tudo tratado para se entregar as ações", diz Luís Filipe Vieira, arguido no processo Cartão Vermelho.

O ex-presidente do Benfica terá de devolver o montante em causa que havia recebido a título de empréstimo, através de uma emissão de VMOC (Valores Mobiliários Obrigatoriamente Convertíveis).

Caso o banco execute as VMOC, como Luís Filipe Vieira antevê, passará a deter mais de 96% do capital da Promovalor.

Luís Filipe Vieira foi um dos quatro detidos no início de julho numa investigação que envolve negócios e financiamentos superiores a 100 milhões de euros, com prejuízos para o Estado, SAD do Benfica e Novo Banco e está indiciado por abuso de confiança, burla qualificada, falsificação de documentos, branqueamento de capitais, fraude fiscal e abuso de informação.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José J C Cruz Pinto
    21 ago, 2021 ILHAVO 04:41
    Espremam-no bem espremido, que algum irá aparecer! E, em todo o caso, se a nossa lei previsse (como nos EUA) a prisão por muitos e muitos anos, pelo menos garantia-se que as grandes fraudes e roubos muito mais dificilmente se repetiriam. Assim, não teremos muito que esperar pela/o próxima/o.
  • Americo
    20 ago, 2021 Leiria 14:35
    E eu, tenha que não tenha, terei de arranjar dinheiro para pagar impostos. Impostos esses para fazer face às dívidas que ficaram por pagar desses "senhores". Que País é este ?

Destaques V+