Tempo
|
A+ / A-

Jesus no Benfica. Da glória à saída polémica, passando pelo paradigma que é agora um enigma

18 jul, 2020 - 01:28 • Carlos Calaveiras

Cinco anos depois, o técnico voltou a uma casa onde foi feliz, mas onde também ajoelhou e saiu a mal para o outro lado da segunda circular. Recorde brevemente como foram aqueles seis anos de JJ no Benfica.

A+ / A-

Agora é oficial: o técnico Jorge Jesus (JJ) está de regresso ao Benfica. Os encarnados já confirmaram a contratação e o Flamengo a saída.

Desde logo fica a dúvida: Depois da saída polémica e das acusações de parte a parte, da mudança de paradigma - que levou à aposta no Seixal – para o retorno do “cérebro” à Luz, o que se alterou?

Antes de avançarmos, rebobinemos:

Verão de 2009, Jesus estava no Sp. Braga e é contratado por Luís Filipe Vieira para o Benfica.

Na primeira conferência de imprensa na Luz, JJ não deixa dúvidas: "Os jogadores do Benfica para o ano vão jogar o dobro do que jogaram o ano passado. Só isso. E o dobro se calhar é pouco".

A época inicial de águia ao peito deixou os sócios e adeptos encarnados encantados e ficaram célebres duas expressões: “rolo compressor” e “nota artística”. No final de 2009/10, o balanço foi positivo: campeonato e Taça da Liga.

Nos três anos seguintes, não houve título nacional. Na temporada de 2010/11 o domínio dos azuis e brancos, de André Vilas-Boas, foi evidente e ficou célebre o 5-0 no Dragão e o “apagão” na Luz no dia em que os visitantes confirmaram a conquista do título. Já nas épocas de 2011/12 e 2012/13, as derrotas dos encarnados não foram tão fáceis de engolir. As equipas de Jorge Jesus chegaram a ter vantagens pontuais, mas não as conseguiram segurar e o momento “Kelvin” – mais o ajoelhar de Jesus – até teve direito a espaço no museu de FC Porto.

Paralelamente, o sonho europeu foi também estando presente e, com Jorge Jesus, o Benfica chegou a duas finais da Liga Europa. Acabou por perder as duas, contra Chelsea (2-1), em 2013, e Sevilha (penáltis), em 2014.

Não foram dois bons anos e um deles foi o do “quase”. Em cerca de uma semana tudo o Benfica perdeu: campeonato, Liga Europa e Taça de Portugal, esta para o V. Guimarães, de Rui Vitória, o homem que viria a suceder a Jesus no comando técnico dos encarnados.

A pressão dos sócios nesta altura era enorme, estava terminada a época de encantamento entre adeptos e o mister, mas o presidente Vieira – contra tudo e contra todos – decidiu manter a aposta.

Jorge Jesus continuou e, nas épocas 5 e 6, voltaram as conquistas de campeonatos.

Resumindo, à frente do Benfica, JJ conquistou 10 títulos e é o mais titulado da história do clube: três campeonatos, uma Taça de Portugal, cinco Taças da Liga e uma Supertaça Cândido de Oliveira.

No verão de 2015 caiu a “bomba”. O Benfica parecia querer mudar de página, apostar no centro de estágio do Seixal e tentou colocar o treinador, mas Jorge Jesus não aceitou o que lhe estava destinado e acabou por assinar pelo Sporting, eterno rival dos encarnados.

Luís Filipe Vieira tentou depois justificar a troca de Jesus por Rui Vitória.

“Quem conhece o Jorge Jesus sabe como ele trabalha. Tem uma maneira de trabalhar que, hoje, não serve os interesses do Benfica (…) [com Jorge Jesus] não era possível planear a três anos. O paradigma mudou”.

Estava lançada a aposta no Seixal. O novo paradigma era esse e, segundo o líder encarnado, Jesus não servia para essa estratégia.

Seguiram-se depois tempos conturbados, com ataques de parte a parte, processos em tribunal e “trocas de galhardetes” polémicos com Rui Vitória (o "Ferrari", o "cérebro", os "jogos da mente"...).

Olhando para a carreira do técnico da Amadora desde a saída do Benfica (Sporting, Al-Hilal e Flamengo) não há dúvidas: o objetivo tem sido “ganhar já” e, normalmente, para isso, são necessários grandes investimentos e apostas seguras. Falta saber se a “marca Seixal” vai ter espaço para continuar a crescer. Os mais fiéis do técnico vão lembrar-se de Reinier, que aos 17 anos teve minutos no Flamengo e acabou transferido para o Real Madrid. Os mais céticos vão sempre recordar Bernardo Silva e dos seus treinos a lateral esquerdo.

Cinco anos depois, fica a dúvida: o que mudou? Benfica ou Jorge Jesus?

Saberemos quando o técnico for apresentado na Luz.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuel
    19 jul, 2020 Moura 15:05
    O Jesus é um grande Treinador mas a partir de agora só lhe desejo insucessos enquanto treinar o Benfica.
  • Ivo Pestana
    18 jul, 2020 Funchal 14:04
    De fato é um risco. Vejamos, Mourinho voltou ao Chelsea e não teve sucesso. Mas, o Zidane voltou e é novamente campeão. O futuro não sabemos. Que tenha sorte.
  • César Augusto Saraiva
    18 jul, 2020 Maia 09:32
    Que seja Bem-Vindo quem vier por Bem!... Mas, pela excelente 'rebobinagem' aqui feita, não auguro nada de novo; direi mesmo que vai ser um chover no molhado. Só espero que o JJ se tenha vingado bem com um chorudo contrato, para ensinar esse pobre presidente do Benfica - já que nada quer aprender com o Pinto da Costa, preferindo continuar o mesmo insipiente sobre futebol e a gestão da sua gente...

Destaques V+