Siga-nos no Whatsapp

Portugueses no Europeu

Euro2024. A devoção dos Ferreira Gomes, a escala em Praga e o sonho de Berlim

18 jun, 2024 - 12:12 • André Rodrigues

No dia da estreia de Portugal, mais de dez mil portugueses vão estar no estádio de Leipzig. Muitos viajaram para a Alemanha nos últimos dias. Outros são emigrantes e aproveitam a presença da seleção para sentirem-se mais perto do país que é seu. Para uns, é uma aventura. Para outros, é uma forma de matar saudades de casa. Para todos, é uma festa.

A+ / A-

Gabriel é a máxima expressão do entusiasmo no apoio à seleção nacional. Não apenas por causa do jogo, mas pelo encontro com outros portugueses e com “outras pessoas de várias nacionalidades… e eu sou mais um de todos os portugueses que querem apoiar a seleção”.

A euforia está-lhe nos genes. Os pais, Carla e Nuno Ferreira Gomes, são seguidores habituais da seleção. Tudo começou em 2010 quando, em plena lua de mel, foram ao Mundial da África do Sul “para ver Portugal ganhar 7-0 à Coreia”.

Desde então, não falham uma fase final de um europeu ou de um campeonato do mundo: “já estivemos no Brasil e em quase todos os europeus. Desde então, costumamos ir pelo menos a um jogo”.

Desta vez, é na Alemanha e a novidade é que vão os três em família. “É mais uma oportunidade para viajar e passar tempo juntos”.

Os Ferreira Gomes têm presença garantida nos jogos da seleção durante a fase de grupos. “Depois, logo se vê”, diz Carla.

Se for para ir mais longe, Nuno terá de regressar mais cedo a Portugal. Mas não tem dúvidas: “vamos até à final”.

O “bom espírito” da noite de Leipzig

João Silva viajou do Porto para Leipzig, com escala em Praga, a capital da Chéquia. “Está a correr tudo bem”, conta este adepto e turista português, que espera que o jogo de estreia da seleção tenha um desfecho tão positivo quanto esta experiência que começou, literalmente, em solo adversário.

“Passámos os primeiros dois em Praga, onde, curiosamente, encontramos alguns portugueses com camisolas de Portugal e com cachecóis, mas ainda muito esporádico”, recorda.

Depois da chegada a Leipzig, na tarde de segunda-feira, sentiu-se muito mais em casa: “quando chegamos ao centro da cidade, estava a dar o Bélgica x Eslováquia e a maioria dos adeptos nas esplanadas estava a ver o jogo, muitos com a camisola de Portugal. E quase já só se falava português”.

O encontro com um grupo de adeptos checos foi “espetacular: trocámos uns cânticos, aplaudimo-nos uns aos outros… tudo dentro de um bom espírito de fair-play”.

O plano para chegar ao estádio sem sobressaltos já está bem definido: “de manhã, vou fazer um tour pela cidade com a minha mulher”.

Ao meio-dia, hora alemã, seguem para o ponto de encontro dos adeptos portugueses, antes de marcharem juntos para o estádio do Leipzig, “em festa, que é para isso que aqui estamos”.

Uma festa que João espera que vá até à final de Berlim. Para que volte a sentir a "enorme alegria" de voltar a ver Portugal campeão europeu, como em 2016.

“Chegar à final de Berlim e, quem sabe, vencer”

Se a presença da seleção num europeu é um momento especial para os adeptos que têm a oportunidade de acompanhar, mais especial se torna para os portugueses que trabalham na Alemanha, como é o caso de Edgar Lopes.

Quando Portugal esteve na Alemanha para o Mundial de 2006, este enfermeiro a trabalhar num hospital de Leipzig estava longe imaginar que, um dia, seria emigrante na Alemanha.

Na altura tinha nove anos” e sonhos de ser jogador de futebol. Natural de Barqueiros, no concelho de Barcelos, fez percurso nas camadas jovens do Varzim.

Depois, a vida impôs escolhas, longe de casa.

O facto de saber que, por estes dias, vamos ter mais portugueses connosco aqui é uma sensação que nunca esperei ter”, admite.

Quanto às expetativas para Portugal, Edgar evita atribuir favoritismos, mas contraria o ‘nacional pessimismo’.

“Não precisamos de nos colocar num patamar inferior, quando temos qualidade para ser superiores a grande parte das seleções. Se Portugal tiver sempre os pés assentes na Terra, talvez consiga chegar à final de Berlim e, quem sabe, vencer”.

Os dados estão lançados. A primeira batalha será diante da Chéquia, a partir das 20h00.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+