Siga-nos no Whatsapp
Ribeiro Cristovão
Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

Os tempos difíceis do defeso

03 jun, 2024 • Opinião de Ribeiro Cristovão


Para os lados do Dragão, a situação começa a assumir foros de insustentável.

Chegados ao fim das competições de futebol, estamos já em pleno defeso que, como quase sempre, está a proporcionar momentos revestidos de alguma sensação e não menos agitação, que mostram tendência para se agravar nos dois meses sem futebol que temos pela frente.

Conhecidos os últimos resultados, constatamos a descida do Portimonense ao escalão secundário por troca com o AVS, após dois jogos durante os quais os algarvios nunca foram capazes de se sobreporem aos avenses, comandados por Jorge Costa que o qual, a partir de agora, transfere os seus serviços para o clube onde conheceu os momentos mais gloriosos da sua carreira, o Futebol Clube do Porto.

Do lado do Portimonense confirmou-se a falta de qualidade demonstrada ao longo de toda a temporada, no escalão maior do nosso futebol. Na realidade nunca ficou à vista a necessária valia da equipa de Paulo Sérgio, sempre em situação aflitiva nos lugares do fundo da tabela classificativa. Neste domingo consumou-se aquilo quera era esperado há muito tempo.

Agora o clube do barlavento algarvio vai iniciar um difícil caminho até poder voltar ao lugar que ocupara até agora.

Porém, é dos clubes principais que nos têm chegado as notícias mais sonantes, sendo as vindas do Futebol Clube do Porto e do Benfica aquelas que suscitam maior expectativa e algum espanto.

No clube da Luz permanecem dúvidas em relação ao futuro ditadas, na sua grande maioria, pela permanência de Roger Schmidt à frente dos destinos do futebol. E há também as várias questões que se relacionam com a formação do plantel, após as dispensas e contratações indispensáveis que estão no horizonte, e face às exigências que se colocam a um clube com justificadas ambições nacionais e internacionais.

Para os lados do Dragão a situação começa a assumir foros de insustentável.

A mudança, após 42 anos de governança de Pinto da Costa, está a passar por enorme turbulência, que não dá mostras de vir a desvanecer-se num desejável curto prazo.

O começo de vida presidencial de André Villas-Boas tem sido difícil, com decisões susceptíveis de interpretações diversas, mas havendo sobretudo a intenção de não comprometer o futuro.

Quando for conhecido o nome do novo treinador de futebol e ultrapassadas as tricas que fazem manchetes em toda a imprensa, virão novos tempos e a poeira, que anda no ar, assentará definitivamente.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.