Emissão Renascença | Ouvir Online
Ribeiro Cristovão
Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

Não havia necessidade

15 nov, 2022 • Opinião de Ribeiro Cristovão


Mantendo por Cristiano Ronaldo a admiração e a gratidão de sempre, parece-nos no entanto oportuno afirmar que este ciclone que varreu o futebol mundial chega até nós num tempo pouco recomendável.

A oito dias do pontapé de saída do Campeonato Mundial de Futebol, a disputar no Catar, rebentou em Portugal a grande bomba da semana, a qual vai ter repercussões durante muito tempo e, sobretudo, à medida a que venham a ser conhecidos novos dados em relação da posição assumida por Cristiano Ronaldo relativamente ao Manchester United, clube com o qual o jogador português vai seguramente cortar o vínculo que mantém há pouco mais de uma temporada.

Mantendo por Cristiano Ronaldo a admiração e a gratidão de sempre, parece-nos no entanto oportuno afirmar que este ciclone que varreu o futebol mundial chega até nós num tempo pouco recomendável.

Estamos a dias de ficar envolvidos na mais importante competição internacional, e tudo aquilo que é já do conhecimento público poderá acarretar incómodo para a nossa seleção e, inclusive, causar alguma perturbação no seio dos convocados por Fernando Santos, tudo dependendo da forma como o assunto vier a ser tratado pelo coletivo.

Independentemente de tudo quanto estará ainda para acontecer, há que creditar fortes razões ao nosso CR7. Trata-se, apenas e só, do expoente maior de sempre do futebol nacional, mal tratado pelo clube inglês e seu treinador, aos quais CR7 não pouco acusações, que certamente vai esclarecer melhor.

O Mundial que se aproxima também é, por tudo isto, importante para o atleta madeirense:

o seu rendimento na seleção será sempre analisado até ao mais ínfimo pormenor, e não faltarão acusações caso as coisas não lhe corram de feição.

Tanto quanto é possível perceber, haverá até colegas de seleção que não tributarão a Ronaldo as razões que o próprio afirma assistirem-lhe.

Um facto parece evidente: por esta altura, com o Mundial à porta, talvez CR7 devesse ter escolhido outro tempo, para esgrimir as suas razões.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.