Tempo
|
Ribeiro Cristovão
Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

O apito soa mais cedo

08 jul, 2022 • Opinião de Ribeiro Cristovão


O Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol divulgou ontem os nomes dos 22 árbitros que passam a constituir o quadro da primeira categoria para a próxima temporada.

Entre todos, uma só novidade: Hugo Miguel, que completou 45 anos e que ainda poderia continuar mais uma temporada, não foi convidado para fazer parte do grupo de eleitos, podendo, no entanto, vir a integrar a lista dos integrantes do VAR. É ainda oportuno dizer que Rui Costa, Nuno Almeida e Manuel Mota também já ultrapassaram a barreira dos 45 anos mas, quanto a estes, o critério do CA não os condenou à saída.

Por outro lado, foram despromovidos Hugo Silva e David Silva, registando-se as subidas de Bruno Costa, Carlos Macedo, Hélder Carvalho e Ricardo Baixinho, estes quatro pertencentes às Associações de Viana do Castelo, Braga, Santarém e Lisboa.

De resto, vamos continuar a ter pela frente as mesmas caras de sempre, muitas da quais foram alvo de grande contestação, sobretudo e como de costume, no final da temporada, quando tudo começa a ficar mais apertado no tocante às diversas posições nas tabelas classificativas dos vários campeonatos.

Também como de costume, o começo da temporada não se prevê agitado.

Como “o primeiro milho é dos pardais”, a princípio tudo é desculpável. Só lá mais para a frente é que os erros começam a ser tratados de maneira diversa, e também a servirem de desculpa à menor capacidade e alguma impreparação e falta de qualidade das equipas em competição.

Claro que nada disto anula ou atenua os maus conceitos em que é tida a nossa classe arbitral, que tem demonstrado nestes tempos mais recentes que está a um nível bastante inferior ao dos restantes parceiros europeus.

E, para o confirmar, não é preciso muito, pois basta atentar naquilo que têm sido as escolhas da Uefa e da Fifa para os grandes torneios internacionais, onde os juízes portugueses só acidentalmente marcam presença.

E, quando são chamados, raramente assinam trabalhos de qualidade.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.