Tempo
|
Ribeiro Cristovão
Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

Mourinho escreve história

26 mai, 2022 • Opinião de Ribeiro Cristovão


José Mourinho enriqueceu ontem o seu já longo e festejado currículo ganhando a quinta final europeia.

À frente da AS Roma, o treinador português venceu na capital albanesa os holandeses do Feyenoord por 1-0, na final da Conference League, a mais recente competição europeia, organizada pela Uefa.

Não assistimos a um jogo de qualidade no estádio de Tirana. Mas, como repete muitas vezes o técnico setubalense, as finais não se destinam a ser bem jogadas, são, antes de tudo, para ganhar. E foi isso que aconteceu.

Os holandeses de Roterdão mereciam, apesar de tudo, chegar pelo menos ao prolongamento.

Entraram melhor no jogo, e na segunda parte foram mesmo a equipa mais forte sobre o relvado.

No entanto, faltou-lhes eficácia, e sobrou, para seu mal, a excelente exibição do guarda-redes Rui Patrício, que em momentos decisivos muito contribuiu para o sucesso da equipa transalpina.

Integrada por quatro portugueses, José Mourinho, Rui Patrício, Sérgio Oliveira, e o diretor técnico Tiago Pinto, a formação italiana inscreve o seu nome na escassa lista dos triunfadores desta temporada, e traz de novo à ribalta uma das coletividades mais prestigiadas da Itália e da Europa.

61 anos depois, tendo ganho em 1960/61 a Taça das Cidades com Feira (mais tarde convertida em Taça Uefa e depois Liga Europa) a Roma não ganhava um troféu desde a vitória na Taça Itália em 2007/2008.

Por tudo isto se entende melhor a exuberância dos festejos dos 50 mil adeptos romanos que ontem à noite viveram intensamente o jogo e sobretudo a vitória da sua equipa na final da primeira edição da Liga Conferência.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.