Tempo
|
Ribeiro Cristovão
Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

​Época de ouro à porta

16 mai, 2022 • Opinião de Ribeiro Cristovão


Antes da Taça de Portugal, o Futebol Clube do Porto inscreveu o seu nome pela trigésima vez na lista dos triunfadores do campeonato nacional.

Depois de ter conquistado com inteiro mérito o seu trigésimo campeonato nacional, o Futebol Clube do Porto prepara-se agora para arrecadar também a Taça de Portugal, uma possibilidade que não se lhe pode negar, dado o facto de partir para a final do Jamor como amplamente favorito frente ao recentemente despromovido Tondela.

É verdade que não há jogos antecipadamente ganhos, e de surpresas tão retumbantes quanto arrasadoras está a história do futebol cheia desde os tempos mais ancestrais, tanto entre nós como por esse mundo fora.

No entanto, o quadro que temos pela frente não é nada favorável à equipa beirã, para qual, à partida, é já uma honra incomensurável estar presente na lendária festa do Estádio Nacional, onde a final da Taça de Portugal nos tem proporcionado momentos ao longo dos anos de rara beleza e da maior emoção e algumas vezes até desfechos de grande imprevisibilidade.

Desde logo, a enorme surpresa registada na sua primeira edição, na temporada de 1938/1939, no dia 25 de Junho, perante 39 mil espectadores, em que a Académica de Coimbra venceu o Benfica por 4-3, no estádio das Salésias, em Lisboa, sob o comando do treinador Albano Paulo, num jogo então dirigido pelo árbitro setubalense António Palhinhas.

Em vitórias maioritariamente divididas entre Benfica, Sporting e Porto, já entretanto se intrometeram como vencedores clubes mais modestos como o Leixões, Estrela da Amadora, Beira-Mar e Desportivo das Aves, tendo o Boavista, por cinco vezes, o Vitória de Setúbal e o Sporting de Braga, ambos por duas vezes, erguido o caneco no imponente cenário do Estádio Nacional.

Porém, antes da Taça de Portugal, o Futebol Clube do Porto inscreveu o seu nome pela trigésima vez na lista dos triunfadores do campeonato nacional.

E chegou a esse título com toda a justiça: um total de 91 pontos ganhos, record da prova, melhor defesa e igualmente melhor ataque, e apenas uma derrota na trigésima-primeira das 34 jornadas do calendário competitivo.

A festa que o país inteiro pode seguir ao longo da noite, coma cidade Invicta vestindo as suas melhores galas, ficou bem como o espelho de uma família que vive apaixonadamente o dia a dia e cada vitória da sua coletividade.

E o mérito tem de ser repartido por muitos: antes de mais, pelos seus jogadores, a que se juntam técnicos e dirigentes, culminando numa enorme e diversificada massa associativa.

Há, por isso, boas razões para continuar a festa no próximo domingo, em dia de correr o pano sobre uma temporada de sucesso.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Manuel M. SI
    16 mai, 2022 CARDIGOS 08:58
    Entre os vencedores da Taça de Portugal não consta o Belenenses?