Tempo
|
Ribeiro Cristovão
Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

As grandes lições do Estádio da Luz

06 dez, 2021 • Opinião de Ribeiro Cristovão


Uma vitória dilatada e justa, perfeitamente adequada àquilo a que se assistiu ao longo de 90 minutos.

Na última sexta-feira, no Estádio da Luz, aconteceu tudo ao contrário daquilo que se previa.

O factor casa não foi decisivo, as ausências de peso na equipa leonina acabaram por não influenciar negativamente o seu rendimento, aquilo que se pensava ser a maior estabilidade psicológica dos jogadores encarnados não se viu durante todo o jogo e, em consequência de tudo isto, e mais coisas, o vencedor acabou por ser o Sporting.

Uma vitória dilatada e justa, perfeitamente adequada àquilo a que se assistiu ao longo de noventa minutos, e com todo o mérito da vitória dos leões dividido entre Rúben Amorim e todos os jogadores que utilizou no estádio vizinho, juntando-lhes os demais, que actuaram por fora, e assim reforçaram de forma superlativa a atitude competitiva da equipa.

Sabendo-se em desvantagem devido às ausências de Coates e de Palhinha, o técnico do Sporting teve engenho para construir a melhor estratégia susceptível de contrariar esse desiderato, e assim demonstrar ser capaz de ficar a anos-luz de distância do seu rival encarnado na concepção do jogo mais conveniente e da sua adaptação às circunstâncias.

Ou seja, utilizando aquela expressão tão frequente da “linguagem da bola”, Rúben Amorim deu um banho de bola ao seu veterano rival, que nunca deu a sensação de ser capaz de alterar o rumo dos acontecimentos que ficaram bem à vista logo a partir dos primeiros minutos.

Num plantel tão abundante e tão dispendioso, nenhum jogador mostrou capacidade para concretizar o favoritismo com que os benfiquistas entraram em campo.

Faltou a todos atitude e inteligência, qualidades que os leões configuraram de sobra, e que os levou a procurar com maior insistência a baliza contrária, mesmo não dispondo da condição de maior tempo de posse de bola.

Aquilo que aconteceu no estádio da Luz, e foi recebido com visível e audível desagrado pela sua imensa massa de adeptos, começa entretanto a deixar à vista consequências diversas.

Jorge Jesus vê a contestação subir de tom à sua volta, a sua permanência à frente da equipa começa a suscitar reforçadas dúvidas, o que os próximos jogos poderá atenuar ou aumentar, a começar já pelo próximo jogo da Champions e, sobretudo, os dois clássicos com o FC Porto, para a Taça e para o Campeonato, a disputar ainda neste mês de Dezembro.

Vai ser curioso seguir os próximos tempos nesta aldeia global, que nos podem trazer novidades, até aqui bastante longe de todas as conjecturas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.