Siga-nos no Whatsapp
Euranet
Radar Europa
“Radar Europa” é um podcast quinzenal, da autoria de Hugo Monteiro, que, em ano de eleições europeias, procura responder à questão: o que pode fazer a União Europeia pelos europeus. Uma nova edição disponível quinzenalmente, às quartas-feiras. Esta é uma parceria Renascença/Euranet Plus.
A+ / A-
Arquivo
Ainda é possível travar a desinformação?
Ouça o programa desta semana

Radar Europa

É urgente o "debate entre partidos" sobre financiamento dos media

20 mar, 2024 • Hugo Monteiro


Luís António Santos alerta que as dificuldades financeiras que afetam muitos órgãos de comunicação social são um fator de risco para a desinformação. “As pressões que as empresas sofrem”, por causa da situação financeira, têm “reflexos claros na quantidade e, sobretudo, na qualidade do trabalho que é feito”, explica o professor de Ciências da Comunicação da Universidade do Minho, no podcast Radar Europa.

O professor de Ciências da Comunicação da Universidade do Minho, Luís António Santos, defende ser urgente um “debate entre os vários partidos”, para que se “promovam medidas que apoiem as empresas jornalísticas nesta tarefa de prestação de um serviço que é público”, isto é, a divulgação de informação séria e verdadeira, “quer estas empresas sejam efetivamente estatais ou privadas”.

Em entrevista ao podcast Radar Europa, o também diretor-adjunto do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade explica que, “à medida que as empresas sofrem mais constrangimentos e o seu trabalho é cada vez mais afetado”, no atual quadro de crise financeira nos media, "os agentes políticos têm cada vez mais a noção da urgência de se concertarem posições, seja ao nível nacional, seja ao nível da União Europeia”.

Luís António Santos alerta que as dificuldades financeiras são um fator de risco para a desinformação: “As pressões que as empresas sofrem, neste momento, por causa da situação financeira, têm reflexos claros na quantidade e, sobretudo, na qualidade do trabalho que é feito. É impossível pedir às empresas jornalísticas que sejam muito cautelosas e muito atentas a muitas áreas da vida social e, ao mesmo tempo, dizer-lhes: mas já não vais poder fazer isso com 50 pessoas, vais ter que fazer isso com 20 pessoas”.

Para combater a desinformação, tema central deste episódio do podcast Radar Europa, este investigador defende que que os governos podem “apoiar instituições e dinamizar trabalhos e iniciativas que promovam a literacia mediática”, como forma de garantir que os consumidores de informação estejam preparados para identificar notícias falsas. “Parece-me que também seria muito importante aproveitar para rever todo o enquadramento que rege as empresas de informação em Portugal que, neste momento, faz muito pouca distinção entre sites que divulgam informação e empresas jornalísticas”, conclui.

Melhores do que no passado

No que respeita ao combate à desinformação, o coordenador em Portugal do Iberifier, observatório de meios digitais na Península Ibérica, diz que o país e a Europa estão “muito melhores a lidar com a informação do que estavam, por exemplo, há dois ou quatro anos”.

Gustavo Cardoso explica que, “no campo europeu, as plataformas têm por obrigação um conjunto de medidas e um conjunto de atitudes que, até agora, não estavam obrigadas. Isso cria um outro ambiente. Por outro lado, aquilo que também acontece é que as pessoas estão mais habituadas a ver as coisas e a apontar que, aquelas que estão a ser partilhadas naquele momento, não são aceitáveis segundo um conjunto de regras. Depois, temos, também, uma institucionalização da prática de fact-checking”.

Também a chefe de pesquisa da EU Disinfolab, uma Organização Não Governamental que se dedica ao investigar as campanhas de desinformação na União Europeia, considera que este é um “período muito positivo.

Maria Giovanna Sessa deixa, no entanto, um alerta: “é claro que a exposição a conteúdos falsos e manipulados contribui para um clima de desconfiança, que pode afetar as escolhas de voto”, nomeadamente nas próximas eleições europeias, e, assim “fazer aumentar a abstenção”.

O Radar Europa é um podcast Renascença, em parceria com a Euranet Plus, a rede europeia de rádios.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.