Tempo
|
José Miguel Sardica
Opinião de José Miguel Sardica
A+ / A-

Alfredo da Silva: lições da história

07 jul, 2021 • Opinião de José Miguel Sardica


O lendário criador do grupo CUF e da dinastia empresarial «Silva-Mello», que marcou a paisagem económica e social portuguesa nos últimos 125 anos.

Em Portugal, o debate sobre o desenvolvimento económico e a convergência com a Europa está sempre prejudicado por sectarismos políticos. Se nos colocarmos, porém, para lá da partidarite aguda, teremos de reparar que há duas décadas que o país estagnou; enquanto isso, muita gente opina sobre modelos de distribuição de riqueza e pouca concebe como se pode criar (mais) riqueza para distribuir. Portugal precisa, com urgência, de pensar nisto. Ao lado dos modelos mais abstratos da macroeconomia e da sociologia, talvez a história possa dar o seu contributo – e da forma mais simples possível, pela recordação de casos biográficos que foram exemplos de liderança, empreendedorismo e compromisso para com o país, o seu progresso e o seu bem-estar.

Um desses casos biográficos foi evocado ao longo do último ano, a propósito dos 150 anos do seu nascimento, a 30 de junho de 1871: Alfredo da Silva, o lendário criador do grupo CUF e da dinastia empresarial «Silva-Mello», que marcou a paisagem económica e social portuguesa nos últimos 125 anos. Organizado pela Fundação Amélia de Mello, o programa comemorativo foi amplo, com diversas publicações e conferências temáticas, que partiram das lições do passado para as aprendizagens do presente e perspetivas do futuro, e com um concurso que mobilizou centenas de jovens dos ensinos básico, secundário e profissional. O facto de eu ter contribuído para esta evocação – ainda em curso – não impede que aqui sublinhe a utilidade cívica de os portugueses repararem na história de Alfredo da Silva.

Filho de uma família da burguesia lisboeta, aluno de mérito do Instituto Industrial e Comercial, acionista, gerente e diretor de uma série de empresas, com destaque para os mais de 40 anos em que liderou a CUF, Alfredo da Silva foi um grande industrial, dinâmico e empreendedor, com um elevado sentido de responsabilidade social para com os seus muitos trabalhadores, e de compromisso com o Portugal do tempo, que procurou desenvolver, nele criando riqueza e transformando-o num país mais competitivo.

É de tudo isto que resulta a sua indesmentível importância e o relevo económico e social da CUF, que os seus herdeiros, Manuel de Mello, Jorge de Mello e José Manuel de Mello (a família Mello), receberiam, continuariam e expandiriam ainda mais, desde a morte de Alfredo da Silva, em 1942, até à década de 1970… e ao presente. Quando as nacionalizações de 1975 desfizeram o império CUF, este estava entre os dez maiores conglomerados industriais e financeiros da Europa e era o maior dentro da Península Ibérica; contabilizava mais de uma centena de empresas, dava emprego a mais de 50 mil operários e funcionários, constituía uma das melhores “escolas” de quadros técnicos do país e valia cerca de 5% do PIB nacional – um peso e uma importância que nenhum grupo empresarial luso voltou a ter no todo da economia portuguesa ou internacional até hoje.

A vida e a obra de Alfredo da Silva demonstram, assim, que é possível fundar e cimentar marcas “made in Portugal”, fugindo ao pessimismo e à anomia, e talvez suscitando novas vocações de empreendedorismo; e o de que isso pode, e deve, ser compatibilizado (olhando o caso de sucesso da política social da CUF) com uma lógica de responsabilidade e de sustentabilidade humana das empresas e das organizações. Num país que continua, hoje, preso por tantos obstáculos (a falta de competitividade da economia, a dependência externa, a fraqueza da iniciativa privada, a desindustrialização, etc.), a biografia de Alfredo da Silva é uma utilíssima lição de história – porque ele foi, na feliz expressão usada há dias pelo Presidente da República, um dos “escassíssimos superlativos” da nossa história contemporânea.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.