Tempo
|
José Luís Ramos Pinheiro
Opinião de José Luís Ramos Pinheiro
A+ / A-

Ucrânia: o preço da liberdade

16 mar, 2022 • Opinião de José Luís Ramos Pinheiro


Se hoje não se resistir a Putin, também com o arsenal da consciência e dos valores humanos, amanhã o mundo será um lugar pior. Claro que a liberdade tem um preço. Se o recusarmos, significa que a sociedade do bem-estar anestesiou não só a dor, mas toda a consciência e sensibilidade.

Para o próximo dia 25 de março, o Papa Francisco que no início da guerra saiu do Vaticano para se reunir com o embaixador russo junto da Santa Sé, anunciou a consagração da Rússia e da Ucrânia ao Imaculado Coração de Maria. A consagração vai decorrer no Vaticano e em Fátima, onde estará um enviado papal.

O gesto evoca a memória de São João Paulo II e a intervenção da Irmã Lúcia neste processo que culminou com a consagração da Rússia e do mundo inteiro, em união espiritual com todos os bispos, em 25 de março de 1984.

Na altura, seria impensável que fosse necessário ocorrer algo semelhante trinta e oito anos depois.

Na verdade, ninguém estava preparado para a brutalidade da guerra na Ucrânia, provocada pela invasão da Rússia. Crianças mortas (para cima de cem), milhões de pessoas em fuga, vidas destruídas, cidades arrasadas, um imenso território a ferro e fogo.

Julgava-se que coisas destas não se veriam tão depressa na europa. Tão depressa, porque a II guerra mundial terminou há menos de 80 anos. E 80 anos são um ‘quase nada’ para a História.

Julgava-se também que este grau de destruição - desumano e sem sentido - era (im)próprio de regiões longínquas, a uma razoável distância (de segurança) das sociedades ditas civilizadas.

No conforto das nossas vidas, perante tais conflitos longínquos, condenava-se, sancionava-se, mas não se sofria exatamente o mesmo que agora se experimenta com a invasão russa da Ucrânia.

Inconscientemente, o valor da vida parece aumentar, quando o drama se aproxima da nossa porta. E, no entanto, toda a vida humana tem o mesmo valor seja em Mariupol, em Kiev, na Eritreia, em Cabo Delgado, na Serra Leoa, na Síria, no Iraque, no Afeganistão, em Paris, na Sibéria, em Nova York ou em Lisboa.

Hoje é talvez mais claro que ninguém tem o monopólio da barbárie. E é também evidente que não pode haver hierarquias na dignidade da vida humana.

Toda a vida tem dignidade e o desperdício de uma só, implica a mesma gravidade, independentemente das origens, ideias ou confissões religiosas. Mesmo quando os media não acompanham, o mal está lá. Longe da vista ou dos ouvidos não pode significar longe do coração e dos sentidos.

Esta guerra é por isso uma oportunidade para repensar prioridades e valorizar o mais importante para as pessoas e para as sociedades.

Haverá sempre líderes fundamentalistas e fanáticos, mas é preciso resistir-lhes. Não apenas militarmente, mas com os valores mais fundos da consciência humana.

Se hoje não se resistir a Putin, também com o arsenal da consciência e dos valores humanos, amanhã o mundo será um lugar pior.

Claro que a liberdade tem um preço. Nos próximos tempos, haverá provavelmente menos conforto, mais dúvidas, novas inquietações. É sempre assim quando se defende e protege algo tão precioso, quanto a vida humana em liberdade. Será necessário, e justo, proteger os mais fracos, mas é decisivo que os sacrifícios inerentes ao que aí vem não desmotivem ninguém.

O preço da liberdade é elevado, mas o nosso será incomparavelmente inferior àquele que os ucranianos estão a pagar com a própria vida, enfrentando com generosidade a rudeza da invasão.

Se recusarmos hoje os desafios em cima da mesa, o esforço ucraniano liderado por Zelensky, terá sido em vão. E ficaria patente que as sociedades do bem-estar, que todos prezamos, teriam anestesiado não só a dor, mas toda a consciência e sensibilidade.

Claro que a paz se reconstrói também com cedências recíprocas. E os dois lados sabem disso. Porém, ao mesmo tempo que vemos e ouvimos a guerra ‘em direto’, sabemos pouco sobre o que se passa à mesa das negociações.

Entre o que se diz sobre as conversações e o que realmente se passa vai, como sempre, uma considerável distância.

Para além das rondas de negociações anunciadas, há muitas outras conversas, com outros mediadores e com diferentes abordagens. Mas o resultado final não pode colocar em causa o mais importante: segurança, liberdade e autodeterminação dos ucranianos. E onde se lê ucranianos, podia ler-se europeus.

Se depois de fisicamente devastada, a Ucrânia fosse política e humanamente derrotada, todas as sociedades que vivem ou aspiram a viver em liberdade teriam sido vergadas, por ação de terceiros ou por abdicação própria.

Cerca de 1 milhão e meio de crianças já fugiu da Ucrânia. Uma delas, é um rapaz com 11 anos de idade. A Mãe não pôde fugir, porque a avó do pequeno Hassan não estava em condições de o fazer. Fugiu Hassan. Encorajado pela Mãe, percorreu mais de mil quilómetros, até à Eslováquia, a pé ou de comboio.

Quase sempre sozinho chegou à fronteira, apenas com o passaporte, um saco de plástico e nas costas da mão o telefone de familiares a residir na Eslováquia. Ao chegar Hassan confessou: Foi a esperança que me guiou.

Por maiores que sejam as dificuldades dos próximos tempos ninguém pode ter menos esperança do que esta criança.

Sacrificar a Ucrânia seria sacrificar todos os meninos como Hassan, roubando-lhes a esperança e também o futuro: o dele e o nosso.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António J Gomes Costa
    17 mar, 2022 Cacém 15:07
    Finge-se que não se vê. Só se ouve o que se convém. Ler, pouca gente lê, no sentido de perceber...Passa-mos o tempo a ignorar. Agora, a guerra volta a bater à porta da Europa. Já não dá para fingir, para igorar. Onde irá tudo acabar? Tenho a sensação que os anos desde 1945, foram uma época muito, especial para a Humanidade. A chegada do Homen à Lua, a informação a chegar "a todos", ou quase. No inicio do séc XX, a informação estava disponível em livros caros, a aviação estava no inicio. Apesar das guerras que se seguiram a 45 , a Coreia, o Vitname, as independências dos novos estados, o território europeu esteve relativamente em Paz (ex-Jogusláva excepção). Iremos ver onde este admirável mundo novo e global irá parar.
  • Cidadao
    17 mar, 2022 Lisboa 11:27
    Ah pois: a liberdade e o modo de vida Ocidental, tem um preço. Nós é que nos esquecemos disso. Lembrámo-nos agora, ao ver o sacrifício da Ucrânia e da sua população, cujo único "crime" é terem escolhido o modo Ocidental para sistema de Vida. Vamos continuar a lembrarmo-nos, quando houver cortes no Social, na Educação, na Saúde - porque onde devia haver, nos apoios para a Banca, para TAP's, para os Elefantes Brancos que por aí andam, isso não vai ter cortes - em prol do aumento da nossa Segurança, seja Digital, seja Militar, vamos lembrar-nos quando olharmos para refugiados Ucranianos, gente que tinha uma Vida, e por desejos de um déspota - não do Povo Russo - foi forçada a fugir ou a lutar até à Morte, e a ver o seu País e as suas vidas em ruínas. Vamos ser prejudicados na nossa vidinha, isso vamos. Mas não tem comparação com o prejuízo que o povo Ucraniano - e a seu tempo o povo Russo - sofreu e vai sofrer
  • Cidadao
    17 mar, 2022 Lisboa 11:26
    Ah pois: a liberdade e o modo de vida Ocidental, tem um preço. Nós é que nos esquecemos disso. Lembrámo-nos agora, ao ver o sacrifício da Ucrânia e da sua população, cujo único "crime" é terem escolhido o modo Ocidental para sistema de Vida. Vamos continuar a lembrarmo-nos, quando houver cortes no Social, na Educação, na Saúde - porque onde devia haver, nos apoios para a Banca, para TAP's, para os Elefantes Brancos que por aí andam, isso não vai ter cortes - em prol do aumento da nossa Segurança, seja Digital, seja Militar, vamos lembrar-nos quando olharmos para refugiados Ucranianos, gente que tinha uma Vida, e por desejos de um déspota - não do Povo Russo - foi forçada a fugir ou a lutar até à Morte, e a ver o seu País e as suas vidas em ruínas. Vamos ser prejudicados na nossa vidinha, isso vamos. Mas não tem comparação com o prejuízo que o povo Ucraniano - e a seu tempo o povo Russo - sofreu e vai sofrer