Tempo
|
João Ferreira do Amaral
Opinião de João Ferreira do Amaral
A+ / A-

​Alimentos e alterações climáticas

27 ago, 2021 • Opinião de João Ferreira do Amaral


As alterações climáticas têm-se tornado, a justo título, uma das prioridades da política geral a nível mundial e, consequentemente da política económica. Tudo isto, claro em termos de discurso mediático, muito mais do que em termos de acção, o que aliás nada tem de surpreendente.

Como é normal em situações deste tipo, em que se gera um quase pânico, principalmente face às consequências dos chamados episódios climáticos extremos, surge a ocupação do debate com pseudo-soluções não só inexequíveis mas que, se fossem adoptadas, teriam consequências mais gravosas ainda que as alterações climáticas. Entre essas pseudo-soluções encontra-se a proposta de que devemos voltar à agricultura tradicional, proposta tanto mais perigosa quanto é certo que muitas vezes tem bom acolhimento nos media.

É verdade que, a nível mundial se produzem hoje bens alimentares suficientes para alimentar todos os 7.700 milhões de seres humanos. A fome e a malnutrição continuam no entanto a existir em números tais que nos deveriam fazer corar de vergonha porque resultam da má distribuição e do desperdício de alimentos.

Voltar à agricultura tradicional seria reduzir fortemente a produtividade do sector que deixaria de poder ser a base de alimentação de quase 8 mil milhões de pessoas. Muita gente morreria (certamente muitos milhões) se tal retrocesso fosse exequível. A adaptação às alterações climáticas não pode ser feita voltando às tecnologias medievais. Pelo contrário, precisamos de tecnologias mais sofisticadas porque terão de ser ao mesmo tempo produtivas, parcimoniosas na utilização de água e redutoras da emissão de gases com efeitos de estufa. A curto prazo, entretanto, há algo de muito importante que exige políticas verdadeiras e não o faz-de-conta habitual, mas que pode ser feito: a redução drástica do desperdício alimentar e a reforma das sociedades (ricas ou pobres) que permita que, com a produção actual, todos tenham acesso a uma alimentação suficiente.

Artigos AnterioresJoão Ferreira do Amaral

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Bruno
    08 set, 2021 aqui 22:12
    Ninguém fala em voltar a praticar a agricultura medieval mas sim em ter uma maior área dedicada à agricultura biológica. São coisas distintas! A agricultura biológica é tão sofisticada quanto a agricultura agroquímica. A diferença é que uma procura usar os recursos de forma racional e favorecer a fertilização do solo; a outra vive da exploração intensiva dos recursos naturais e empobrece o solo.