Tempo
|
João Duque n´As Três da Manhã
Segundas e sextas-feiras, às 9h20, n'As Três da Manhã
A+ / A-
Arquivo
“Devemos esquecer” folga de Bruxelas em 2023. Dívida é “problema muito grande”
“Devemos esquecer” folga de Bruxelas em 2023. Dívida é “problema muito grande”

João Duque

“Devemos esquecer” folga de Bruxelas em 2023. Dívida é “problema muito grande”

23 mai, 2022 • Miguel Coelho , Cristina Nascimento


Comentador da Renascença olha ainda para o resultado do estudo que coloca quatro escolas portuguesas de gestão na lista das melhores 50 de todo o mundo.

O economista João Duque considera que Portugal não deve fazer uso da folga que Bruxelas decidiu dar por mais um ano sobre as regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento.

"Devemos esquecer um bocadinho essa derrogação de critérios para nos focarmos naquilo que temos de fazer", diz o comentador no espaço de opinião do programa "Três da Manhã".

João Duque reconhece que este alívio "vai facilitar a vida aos governos, mas aconselha "muita cautela para aqueles que estão muito endividados, como é o caso de países como Portugal".

"Nós fizemos um percurso para eliminar um dos problemas que era o défice, mas temos um problema ainda muito forte que é o problema da dívida", reforçando que é "um problema muito grande que deve ser controlado".

O comentador olhou ainda para oranking feito pelo "Financial Times" que colocou quatro escolas portuguesas de gestão entre as 50 melhores do mundo, entre as quais o Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), onde João Duque é professor.

Duque considera que a chave para este sucesso dos estabelecimentos de ensino é a "boa competição" entre si. Questionado sobre porque é que, apesar da qualidade dos gestores, as empresas portuguesas são muitas apontadas como pouco produtivas, João Duque explica que "Portugal é um país que não tem capital", essencial "para comprar equipamento, para fazer boas instalações, para comprar boas máquinas, para se estar à frente da investigação".

"Sem ovos não se faz boas omeletes, por muito bom que seja o cozinheiro", remata o economista.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.