Tempo
|
João Duque n´As Três da Manhã
Terças e quintas-feiras, às 9h20, n'As Três da Manhã
A+ / A-
Arquivo
João duque considera que foi prematuro o fecho das centrais a carvão

Opinião

Pode ter sido "um bocadinho precipitado encerrar as centrais a carvão"

07 fev, 2022 • Olímpia Mairos


Face à escassez de água, o comentador alerta para o possível agravamento dos custos dos bens alimentares.

Com o país em estado de seca, e tendo em conta a escassez de recursos hídricos, o comentador d’As Três da Manhã considera que “face aquilo que nós temos instalado como alternativa, talvez tenha sido um bocadinho precipitado encerrar as centrais a carvão”.

“Portugal pode ser um bom exemplo, mas temos custos muito elevados e duplos porque somos um país muito periféricos na União Europeia e temos um problema adicional – é que a Península Ibérica está separada, digamos assim, entre aspas, do centro da Europa, em termos de fluidez da energia elétrica, através dos cabos que possam ligar facilmente aqueles grandes produtores do centro da Europa à Península Ibérica”, explica João Duque.

Entende, por isso, que temos aqui um problema, “um estrangulamento que vai provocar preços de energia que estão muito localizados e que são muito afetados pelas condições especificas”.

Um dos setores mais afetados pela seca que atravessa o país é a agricultura. Em Estrasburgo está, nesta segunda-feira, a ministra da Agricultura que, em entrevista à Renascença, já avançou que vai pedir um reforço das medidas de apoio aos agricultores.

“O setor da agriculta representa 2% do valor acrescentado bruto e praticamente do PIB português e em termos de resiliência foi um setor que se portou bastante bem”, assinala o comentador.

João Duque nota, no entanto, que uma das muitas deficiências do setor prende-se com a “dependência da água e da forma como se gere a água, é o setor que mais consome recursos hídricos e, portanto, aonde melhor pode haver um efeito de uma boa gestão”.

Estando Portugal a debater-se com a falta de chuva, o comentador prevê um agravamento dos custos dos bens alimentares.

E, segundo João Duque, o agravamento pode vir por duas vias: a falta de recursos hídricos e alguma escassez na produção, mas também pelo aumento do custo do transporte e dos combustíveis.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    08 fev, 2022 Lisboa 10:59
    Um bocadinho precipitado? Foi mas foi, um erro colossal. Agora estão a importar - e a pagar bem por isso - os 30% de eletricidade que as hidricas já não podem fornecer por causa da seca. É de reativar, pelo menos até a situação de seca passar, as centrais a carvão. Ah a poluição, a poluição... A India tem 120 destas centrais e não se importa minimamente com isso.