Siga-nos no Whatsapp
Histórias do Europeu
A Renascença conta-lhe as glórias e as desventuras dos Campeonatos da Europa de futebol, uma história que tem início em 1960 e que se estende até aos dias de hoje. E há de tudo: lendas, vitórias épicas, derrotas inesperadas, golos especiais e episódios memoráveis. “Histórias do Europeu” é um programa para ouvir de segunda a sexta, ao meio-dia e às oito da noite, na Renascença e, sempre que quiser, em podcast.
A+ / A-
Arquivo
O feriado de Ederzito: o episódio 22 do “Histórias do Europeu"

“Histórias do Europeu"

O feriado de Ederzito: o episódio 22 do “Histórias do Europeu"

12 jun, 2024 • Luís Aresta


Desta vez, Luís Aresta leva-o até ao dia mais importante do futebol português. A Renascença conta-lhe as glórias e as desventuras dos Campeonatos da Europa de futebol. De 1960 aos dias de hoje… há de tudo: lendas, vitórias épicas, derrotas inesperadas, golos especiais e episódios memoráveis!

A mais bela página da história da seleção portuguesa nos Campeonatos da Europa escreve-se a 10 de julho de 2016, em Paris.

Éder chega ao estádio Saint-Denis depois de ter jogado apenas 13 dos 600 minutos que muitos dos seus colegas de seleção cumpriram para disputar a final com a França. Seria ele o herói improvável, depois de uma chamada à seleção pouco consensual...

Após três épocas no SC Braga com veia goleadora, Éder ruma a Inglaterra, em 2015, para representar o Swansea. Em 15 jogos não marcou um único golo e acabou emprestado ao Lille. Fez seis golos e quatro assistências em França, registo que dá a Fernando Santos argumentos para o incluir na convocatória para o Europeu de 2016.

Nesse Campeonato da Europa, em que Portugal vai de empate em empate até à vitória final, Éder está em dois empates, nos dois primeiros jogos: seis minutos no 1-1 com a Finlândia e sete minutos no 0-0 com a Áustria. Nos quatro encontros seguintes o avançado fica a aquecer o banco (valha a verdade que não foi o único).

Chega o dia da grande final em Paris. Éderzito vai a jogo ao minuto 79.

Meia hora depois, no prolongamento – minuto 109 –, remata do meio da rua e bate Hugo Loris

E Portugal lá regressa de França com o título de campeão da Europa e Éder, o herói improvável, festeja com os adeptos em Lisboa, onde proclama um novo feriado nacional, com um impropério à mistura e tudo.

Cá estamos todos… à espera de outro feriado tão inesperado como o de São Ederzito.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.