Siga-nos no Whatsapp
Histórias do Europeu
A Renascença conta-lhe as glórias e as desventuras dos Campeonatos da Europa de futebol, uma história que tem início em 1960 e que se estende até aos dias de hoje. E há de tudo: lendas, vitórias épicas, derrotas inesperadas, golos especiais e episódios memoráveis. “Histórias do Europeu” é um programa para ouvir de segunda a sexta, ao meio-dia e às oito da noite, na Renascença e, sempre que quiser, em podcast.
A+ / A-
Arquivo
O caneco e a história do caneco: o episódio 21 do "Histórias do Europeu"

“Histórias do Europeu"

O caneco e a história do caneco: o episódio 21 do "Histórias do Europeu"

11 jun, 2024


Neste 21.º episódio do podcast, o jornalista Luís Aresta conta-lhe alguns segredos do troféu Henri Delaunay. A Renascença conta-lhe as glórias e as desventuras dos Campeonatos da Europa de futebol. De 1960 aos dias de hoje… há de tudo: lendas, vitórias épicas, derrotas inesperadas, golos especiais e episódios memoráveis!

No dia 14 de julho, em Berlim, um dos 24 capitães das seleções presentes na Alemanha vai erguer o troféu de campeão.

A Taça Henri Delaunay é um tributo ao primeiro secretário-geral da UEFA e grande mentor dos Campeonatos da Europa.

Delaunay foi presidente da Federação Francesa de Futebol. Faleceu em 1955, ou seja, cinco anos antes de ver sua ideia colocada em prática com a realização do primeiro Europeu em 1960, ganho pela União Soviética.

Para homenagear o falecido Henri Delaunay, a UEFA incumbiu o seu filho, Pierre Delaunay, de criar a versão original da taça. Pierre fez o melhor que sabia e entregou a tarefa à casa Chobillon, um conceituado ourives francês.

A taça original prevaleceu durante 24 anos, mas os tempos mudam, as vontades também e, em 2008, o espanhol Iker Casillas ergueu pela primeira vez a nova versão do troféu, executada pelos ingleses da Asprey London.

Entendia a UEFA que o original era demasiado pequeno. Daí que esta segunda versão seja 18 centímetros mais alta e pese mais dois quilos do que a primeira.

Mas há mais diferenças: a base é prateada e mais ampla, para a tornar mais estável. E os nomes dos países vencedores – incluindo Portugal – saíram da base e estão gravados na face posterior do troféu.

O capitão que erguer a Henri Delaunay em Berlim, no dia 14 de julho, vai ter nas mãos oito quilos de prata esterlina, distribuídos por 60 centímetros de altura.

E, só aqui para nós, que bom seria se fosse o capitão da seleção portuguesa...

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.